Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Filipe Nyusi em campanha quer dialogar com insurgentes em Moçambique

Daviz Simango, do MDM, Filipe Nyusi, da Frelimo e Ossufo Momade, da Renamo, em Moçambique
Daviz Simango, do MDM, Filipe Nyusi, da Frelimo e Ossufo Momade, da Renamo, em Moçambique LUSA

Prossegue a campanha eleitoral em Moçambique que vai a eleições gerais no dia 15 de outubro. Hoje o Presidente Filipe Nyusi, que se recandidata, mostrou-se aberto ao diólogo com os insurgentes que têm levado ataques na província do Cabo Delgado, nos últimos 2 anos, provocando a morte mais de 200 mortos entre civis.

Publicidade

Foi num comício em Chiúre na província de Cabo delgado, em Moçambique, que o presidente da República, Filipe Nyusi, candidato à sua própria sucessão, pela Frelimo, manifestou abertura para dialogar com os insurgentes na dita província.

De notar que esses insurgentes protagonizam há 2 anos, ataques armados, em alguns distritos que já provocaram pouco mais de 200 mortos entre civis e as tropas governamentais.

Paralelamente às declarações do candidato e presidente da República, a Frelimo também garantiu em Maputo através do seu porta-voz, Roque Silva, após a realização do velório de uma das 10 vítimas mortais ocorridas no final de uma actividade de campanha pela Frelimo em Nampula, que vai prestar todo apoio as famílias.

Entretanto, o MDM terceira maior forca política do país e na oposição acusa a Frelimo de estar a recolher cartões de eleitores dos seus simpatizantes sobretudo em escolas com o objectivo de inviabilizar que estes exercem o seu direito de voto no dia 15 de Outubro.

São actos que o partido no poder, a Frelimo, desmente.

De Maputo, o nosso correspondente, Orfeu Lisboa. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.