Acesso ao principal conteúdo
Moçambique

Renamo acusa Frelimo de violação do acordo de paz

Filipe Nyusi, líder da Frelimo, e Ossufo Momade, líder da Renamo, aquando da assinatura do Acordo de Paz a 6 de Agosto de 2019.
Filipe Nyusi, líder da Frelimo, e Ossufo Momade, líder da Renamo, aquando da assinatura do Acordo de Paz a 6 de Agosto de 2019. STRINGER / AFP

A Renamo acusa a Frelimo de ter violado o acordo de paz durante as eleições gerais de Moçambique. O maior partido da oposição não reconhece os resultados e exige a repetição do escrutínio. Entretanto, os partidos extraparlamentares apelaram à Renamo para aceitar os resultados.

Publicidade

A Renamo não aceita os resultados adiantados na comunicação social que apontam a Frelimo e o seu candidato presidencial Filipe Nyusi como vencedores.

O maior partido da oposição exige a repetição das eleições face a irregularidades detectadas no dia da votação, apontou o secretário nacional do partido André Madgibire. O responsável considera que o acordo de paz e reconciliação nacional foi violado e criticou a actuação nada imparcial da polícia e dos órgãos eleitorais no dia da votação.

Para a Renamo, as eleições gerais e provinciais de 15 de Outubro foram caracterizadas por prisões arbitrárias, enchimento de urnas e uma onda de violência generalizada.

A Renamo distancia-se dos resultados que estão sendo anunciados pelos órgãos de comunicação social por não corresponderem à vontade do eleitorado. O partido FRELIMO, com esta arrogância e prepotência, está claramente a demonstrar que não quer a paz, aliás violou a linha H do número 3 do acordo de cessação definitiva de hostilidades militares assinado a 1 de Agosto de 2019 entre o Presidente da Renamo, Ossufo Momade, e o Presidente da República, Filipe Nyusi”, declarou André Madgibire, em conferência de imprensa.

Por outro lado, os partidos extraparlamentares apelaram à Renamo para aceitar os resultados e apontam os desentendimento com a autoproclamada Junta Militar como estando por detrás do insucesso nas eleições gerais de 15 de Outubro.

Oiça aqui a reportagem de Orfeu Lisboa

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.