Acesso ao principal conteúdo
Japão/terremoto

Forte tremor no Japão já é o pior em 140 anos

Tsunami de 10 metros atinge a costa de Sendai, no norte do Japão.
Tsunami de 10 metros atinge a costa de Sendai, no norte do Japão. REUTERS/NHK via Reuters TV

Já passa de mil o número de mortos pelo violento terremoto que atingiu o Japão nesta sexta-feira. O tremor, que chegou aos 8,9 na escala Richter, foi sentido em várias partes do país, inclusive na capital Tóquio, onde os prédios tremeram e a população teve que deixar suas casas às pressas. Esse já esta sendo considerado o terremoto mais violento dos últimos 140 anos no país. O número de vítimas ainda é provisório.  

Publicidade

Dezenas de pessoas estão desaparecidas. A televisão japonesa afirma que um navio com 100 passageiros foi arrastado pelo tsunami, que formou ondas de 10 metros de altura. Um trem também estaria desaparecido.

Imagens impressionantes captadas pelas televisões mostram as ondas misturadas com lama e areia varrendo as ruas de Sendai, a 300 quilômetros de Tóquio. O tremor também atingiu a capital japonesa, Miyagi, Fukushima e Chiba.

O epicentro do terremoto foi localizado a centenas de quilômetros na costa nordeste da ilha de Honshu, no Oceano Pacífico. A profundidade foi de 24,4 quilômetros , segundo o Instituto geofísico americano.

Os transportes não funcionam no país e os principais aeroportos foram fechados. Quatro milhões de casas estão sem energia elétrica.

Em um pronunciamento na televisão, o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, garantiu que nenhum vazamento radiotivo foi registrado após os tremores.

O teto de um prédio no centro da capital Tóquio, desabou. Cerca de 600 estudantes participavam de uma formatura no local na hora do terremoto.

O primeiro tremor aconteceu por volta das 15h, no horário local e desde então várias réplicas foram registradas.

Os telefones funcionam mal nesse momento. Segundo relato do nosso correspondente em Tóquio, Ricardo de Souza, feito através de e-mail enviado por telefone celular, os moradores deixaram suas moradias e estão nas ruas da capital. Ele mesmo nao pôde voltar para seu apartamento no segundo andar de um prédio em Tóquio devido aos riscos de desabamento.

Todos tentam, sem sucesso, ter notícias de amigos e familiares no arquipélmago, contou por e-mail o jornalista, que a cada mensagem relatava uma nova réplica do tremor.

Mais de 254 mil brasileiros vivem no Japao. A embaixada do Brasil em Tóquio aconselha os brasileiros que quiserem mais informaçoes de entrar em contato com a diplomacia por email. O endereço é comunidade@brasemb.or.jp.

A jornalista Adriana Brandão falou com o embaixador brasileiro no Japão, Marcos Galvão :

Tsunami

No Japão, uma tsunami de 10 metros atingiu a costa de Sendai na região nordeste do país. As pistas do aeroporto, situadas na região de Miyagi, no norte de Tóquio foram inundadas. As ondas arrastam tudo o que têm pela frente. Uma tsunmai de cerca de 7 metros foi registrado na prefeitura de Fukushima.

O estacionamento da Disneylândia de Tóquio, situada a alguns quilômetros da capital, está debaixo d'água. A Agência japonesa de meteorologia mantém o alerta vermelho ou laranja em todas as costas leste e norte e em alguns locais da parte oeste do arquipélago japonês.

O alerta sobre riscos de tsunamis foi acionado em praticamente todas as costas do Pacífico, incluindo as da Austrália e das Américas Central e do Sul. O anúncio foi feito pelo centro americano de observação de tsunamis.

O centro indicou ainda que uma tsunami poderia atingir a ilha do Hawai por volta das três horas da amanhã pelo horário local e 5 horas depois poderia também chegar à costa oeste dos Estados Unidos. Nas Ilhas Mariannes, no Pacífico, além do alerta, foi acionada uma ordem de retirada de moradores de determinadas áreas.

Autoridades da Indonésia também emitiram um alerta para toda a região leste do país e a agência local indica que ondas provocadas pelo terremoto podem atingir o país no início da noite, pelo horário local. O tremor de 8,9 na escala Richter foi sentido também em Pequim, que fica a mais de 2.500 quilômetros do epicentro do terremoto.

Funcionários de escritórios na capital chinesa relataram em conversas pela internet terem sentido os tremores, mas não há registros de feridos. A agência de administração de terromotos na China afirmou ter recebido diversas mensagens de pessoas que sentiram o tremor.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.