Acesso ao principal conteúdo
Iêmen/ terrorismo

Após pronunciamento de novo presidente do Iêmen, ataque mata 26 soldados

Novo presidente do Iêmen, Abd Rabbo Mansur Hadi, jurou combater a Al Qaeda no país.
Novo presidente do Iêmen, Abd Rabbo Mansur Hadi, jurou combater a Al Qaeda no país. REUTERS/Khaled Abdullah

Vinte e seis soldados da Guarda Republicana do Iêmen perderam a vida neste sábado em um atentado suicida cometido na entrada do palácio presidencial de Mukalla, no sudeste do país. O ataque, atribuído à rede terrorista Al Qaeda, acontece no mesmo dia em que o novo presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, prestou juramento antes de assumir o cargo, na segunda-feira.

Publicidade

Um carro-bomba explodiu na entrada do palácio, matando os militares e o motorista suicida que o conduzia. Segundo uma fonte militar, não havia nenhuma personalidade presente no momento do atentado. A fonte disse ainda que a identificação do homem-bomba estava em curso e, se confirmada, trata-se de um membro da Al Qaeda.

Os soldados da Guarda Republicana entraram à força no hospital Ibn Sina a procura de atendimento para seus companheiros e chegaram a tirar pacientes das macas para poder acomodá-los, segundo testemunhas. A Guarda Republicana é um corpo de elite do Exército iemenita, comandado por Ahmed Ali Abdullah Saleh, o filho do até então presidente, que cedeu o poder depois de dez meses de protestos populares.

Juramento

Horas antes, o novo presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi prestou juramento ao Parlamento como o novo líder do Iêmen. Ele se comprometeu a "preservar a unidade do país, sua independência e sua integridade territorial", segundo informou a televisão pública iemenita.

Mansur Hadi, candidato único, foi eleito com mais de 99% dos votos, substituindo Saleh, que ficou no poder depois de 33 anos. A eleição faz parte de um acordo para a transição política elaborado pelas monarquias árabes do Golfo. Depois de prestar juramento, o novo presidente se dirigiu aos iemenitas prometendo abrir o diálogo com todas as forças políticas, restabelecer a segurança "sem a qual é impossível qualquer desenvolvimento econômico e prosseguir com o combate à Al Qaeda".

Ele convidou os cidadãos a "começar um novo capítulo para construir um Iêmen que integre todo mundo". Hadi, eleito interinamente por dois anos, tomará posse oficialmente na segunda-feira. Depois, receberá o poder de Saleh, que retornou à capital iemenita hoje. Ele havia passado a semana nos Estados Unidos, onde realizou um tratamento médico.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.