Acesso ao principal conteúdo
China/Dissidente

Dissidente chinês é encontrado morto de maneira suspeita

O dissidente chinês Li Wangyang foi encontrado morto em situação suspeita no hospital onde se encontrava, em Pequim.
O dissidente chinês Li Wangyang foi encontrado morto em situação suspeita no hospital onde se encontrava, em Pequim. REUTERS/Hong Kong Alliance/Handout

O dissidente chinês Li Wangyang, de 62 anos, foi encontrado enforcado, nessa quarta-feira, em um quarto de hospital da cidade de Shaoyang, na província de Hunan (centro). Familiares contestam a versão de suicídio e consideram a morte suspeita. Li Wangyang foi libertado no ano passado, depois de passar 22 anos preso por sua militância contra o regime comunista. 

Publicidade

Uma irmã e um cunhado de Li Wangyang encontraram o dissidente morto, ontem, quando foram visitá-lo no hospital. Ele tinha uma faixa de pano enrolada no pescoço e seu corpo ainda tocava o chão com os pés, perto da janela, conforme relatou o cunhado do dissidente, Zhao Baozhu, ao escritório chinês da ong Human Rights Watch (HRW). Nem os familiares nem os funcionários do hospital puderam examinar o corpo de Li, pois a polícia logo foi chamada e cerca de 40 policiais levaram o corpo embora do local.

Após o movimento pró-democracia de 1989, que terminou com um banho de sangue das tropas chinesas sobre os estudantes da praça da Paz Celestial, em Pequim, Li Wangyang foi condenado a 13 anos de prisão por "crimes contra-revolucionários". Quando foi libertado, depois de passar 11 anos atrás das grades, ele estava praticamente surdo e cego devido aos maus-tratos e às péssimas condições carcerárias.

O dissidente tentou cobrar uma indenização na justiça chinesa e o que recebeu foi uma nova condenação, em 2001, a mais 10 anos de reclusão. Desde que foi libertado pela segunda vez, Li passava a maior parte do tempo no hospital. Ele militava em defesa dos direitos dos trabalhadores de Shaoyang.

Segundo a ong HRW, amigos e familiares do dissidente morto receberam instruções para não de se manifestar em público e estão sob vigilância policial.

Revoltados com a morte repentina de mais um opositor do regime comunista, internautas chineses lançaram uma petição nesta quinta-feira pedindo esclarecimentos sobre o enforcamento suspeito. O abaixo-assinado já recolheu 3 mil assinaturas, incluindo a do artista e militante Ai Weiwei, de escritores e advogados.

Nos últimos meses, vários opositores foram condenados a pesadas penas de prisão por "incitação à subversão do poder do Estado". A China tem fechado o cerco à mídia e à internet, aumentado a censura política com vista ao Congresso do Partido Comunista Chinês que deve indicar o novo presidente do país no segundo semestre deste ano. Um projeto de lei apresentado hoje pelo governo tenta restringir o anonimato dos internautas e aumentar o controle dos sites que abrigam fóruns e microblogs na rede.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.