Acesso ao principal conteúdo
Quênia/Terrorismo

Presidente queniano anuncia fim da operação em shopping de Nairóbi

Presidente queniano Uhuru Kenyatta (c) durante anúncio do fim da operação de tomada de shopping em Nairóbi.
Presidente queniano Uhuru Kenyatta (c) durante anúncio do fim da operação de tomada de shopping em Nairóbi. REUTERS/Presidential Strategic Communications Unit

O presidente queniano Uhuru Kenyatta anunciou na noite dessa terça-feira, 24 de setembro, o fim das operações de tomada do shopping Westgate, em Nairóbi, invadido desde sábado por terroristas. O chefe de Estado confirmou o balanço de 67 mortos, mas o número ainda pode evoluir, já que três andares do prédio desmoronaram e vários corpos estariam sob os escombros. Três dias de luto oficial foram decretados no Quênia a partir desta quarta-feira.

Publicidade

Desde segunda-feira as autoridades quenianas vinham anunciando o fim da operação, mas agora o presidente do país afirma ter finalmente vencido os membros da milícia Al-Shebab, que estavam entrincheirados desde sábado. "Nós fomos duramente afetados, mas fomos bravos, unidos e fortes. Olhamos o mal dentro dos olhos e triunfamos", declarou Uhuru Kenyatta.

Segundo os últimos números anunciados pelo presidente, 67 pessoas morreram no episódio, entre eles 61 civis. Mas esse balanço ainda é provisório, já que três andares do prédio desabaram após a operação e vários corpos, que ainda continuam desaparecidos, estariam sob os escombros do shopping Westgate. O centro queniano de gestão de crises confirmou que outras 175 pessoas ficaram feridas.

Ainda há poucas informações sobre os terroristas. Segundo as autoridades locais, cinco deles teriam sido abatidos e onze pessoas foram presas e estão sendo interrogadas. “Esses covardes enfrentarão a Justiça, como seus cúmplices e chefes, onde quer que estejam”, disse o presidente queniano. De acordo com o chefe de Estado, norte-americanos e britânicos fariam parte do grupo de extremistas e um deles seria uma jovem nascida no Reino Unido. O grupo Al-Shebab desmentiu a informação, alegando que não havia mulheres no grupo.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.