Acesso ao principal conteúdo
Rússia/Ativista

Rússia vai boicotar processo sobre navio do Greenpeace no Ártico

A bióloga Ana Paula Alminhana Maciel, ativista do Greenpeace, detida em Mourmansk, na Rússia.
A bióloga Ana Paula Alminhana Maciel, ativista do Greenpeace, detida em Mourmansk, na Rússia. REUTERS/Greenpeace/Handout via Reuters

O governo russo anunciou nesta quarta-feira, através do seu ministério de Relações Exteriores, que boicotará o processo no Tribunal Internacional de Direito Marítimo acionado pela Holanda, após a detenção de um navio do Greenpeace em zona do Ártico pertencente a Rússia.

Publicidade

A Rússia, no entanto, garantiu que continua aberta a um acordo. Já a Holanda, país onde a embarcação foi registrada, pede a libertação urgente dos 30 membros na tripulação, de 18 nacionalidades, entre eles quatro russos e uma brasileira, a bióloga Ana Paula Alminhana Maciel. Eles estão atualmente detidos em Mourmansk, noroeste da Rússia, acusados de pirataria. Se condenados, a pena pode chegar a 15 anos de prisão.

Uma primeira audiência no tribunal com sede em Hamburgo, na Alemanha, deve ocorrer em duas ou três semanas. A Holanda indicou que está disposta a suspender a ação judicial para negociar com a Rússia, mas somente após a libertação dos ativistas.

O barco "Arctic Sunrise" da ONG em defesa do meio ambiente foi interpelado pelas forças de segurança russas, depois que militantes escalaram uma plataforma de petróleo da Gazprom, gigante russa da energia, para instalar uma faixa denunciando os riscos ecológicos da extração de petróleo na região, que possui um ecossistema particularmente frágil. Para a Rússia, a utilização dos recursos naturais abundantes na grande área do Artigo ainda pouco explorados é uma questão estratégica.
 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.