Acesso ao principal conteúdo
Síria/Armas Químicas

Síria desativa instalações de produção de armas químicas

Funcionários de laboratório de testes da OPAC examinam substância similar ao gás Sarin, arma química utilizada no conflito sírio.
Funcionários de laboratório de testes da OPAC examinam substância similar ao gás Sarin, arma química utilizada no conflito sírio. REUTERS/Fabrizio Bensch/Files

A Organização pela Proibição de Armas Químicas (OPAQ) anunciou nesta quinta-feira que a Síria terminou de desativar suas instalações para produção de armas químicas, um dia antes da data estabelecida. No dia 24 de outubro, dez dias depois de tornar-se Estado membro da Organização, Damasco apresentou seu plano geral de destruição do arsenal, de acordo com a decisão do conselho executivo da OPAQ, que determinava a data limite de 1° de novembro para a desativação funcional da produção.

Publicidade

O plano de destruição "integral, sistemática e verificada" de todo o arsenal químico sírio será analisado pela Organização no próximo dia 5 e servirá de base para o estabelecimento, até o dia 15 de novembro, de um calendário com todos os prazos e metas.

Cabe à OPAQ, laureada com o Nobel da Paz no início de outubro, a supervisão do processo.Não é uma missão simples: pela primeira vez desde a criação do órgão, ele terá de efetuar a destruição das armas em um país imerso na Guerra Civil. Qualquer falha ou vazamento pode ser catastrófico.

Em meados de 2014, a Síria não deve ter mais nenhum aparato químico, de acordo com a resolução 2118 da Organização das Nações Unidas. Essa resolução foi adotada logo após o fechamento do acordo russo-americano sobre o desmantelamento do arsenal químico sírio e freou a ameaça de uma intervenção internacional no país capitaneada pelos Estados Unidos.

A ação armada esteve muito próxima de acontecer, depois do ataque químico de 21 de agosto na periferia de Damasco. Apesar de o regime Bashar al-Assad, apoiado por Moscou, negar a autoria do bombardeio e atribuí-la aos rebeldes, a comunidade internacional viu o governo como maior responsável.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.