Acesso ao principal conteúdo
onu/ Egito

ONU denuncia sentenças de morte no Egito

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton.
A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton. REUTERS/Francois Lenoir

O alto comissariado da ONU para Direitos Humanos declarou hoje que a condenação à pena de morte de 529 simpatizantes do ex-presidente egípcio Mohamed Mursi, ontem no Egito, é uma grave violação do direito internacional e um escândalo sem precedente na história recente. A decisão de um tribunal egípcio também chocou o departamento de Estado americano.

Publicidade

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, pediu um julgamento justo para os opositores políticos no Egito. Ainda mais sabendo que hoje vão a julgamento mais 700 defensores do governo islâmico, entre eles o líder espiritual da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie.

Os réus nesse julgamento, que é apontado como cheio de irregularidades, são acusados pela morte de policiais e a depredação do patrimônio público durante as manifestações em favor do ex-presidente egípcio, em agosto passado, depois que Mursi foi deposto do cargo pelas Forças Armadas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.