Acesso ao principal conteúdo
Coreia do Sul/Naufrágio

Naufrágio de balsa na Coreia do Sul deixa mais de 100 mortos

A Guarda Costeira informou que redes são instaladas ao redor da balsa para impedir o afastamento dos corpos.
A Guarda Costeira informou que redes são instaladas ao redor da balsa para impedir o afastamento dos corpos. REUTERS/Kim Kyung-Hoon

O último saldo das vítimas do naufrágio do barco Séwol, na Coreia do Sul, ultrapassa 120 mortos. Até o momento, 181 pessoas  que estavam a bordo continuam desaparecidas. Na investigação sobre as causas do acidente, 9 integrantes da tripulação, incluindo o capitão da embarcação, já foram presos. Eles são acusados de negligência.  

Publicidade

Equipes de mergulhadores continuaram nesta terça-feira (22) as buscas de corpos dos passageiros da balsa que naufragou na última quarta-feira. Segundo as autoridades portuárias, as condições climáticas estavam favoráveis, mas a visibilidade ainda era bastante baixa. As equipes vasculharam os corredores e as cabines da embarcação submersa em busca das vítimas. “É muito difícil para os mergulhadores que procuram corpos nas águas turvas e cheias de lama”, disse a Guarda Costeira.

A possibilidade de encontrar sobreviventes em eventuais bolsas de ar formadas dentro do barco afundado é praticamente inexistente. As famílias, reunidas no porto de Jindo, esperam, agora, que os corpos sejam resgatados o mais rapidamente possível. Os primeiros dias de busca após o naufrágio foram dificultados por um mar extremamente revolto que impedia a operação dos mergulhadores. A lentidão no começo das buscas frustrou os familiares dos adolescentes. O barco transportava 352 estudantes de uma mesma escola da na cidade de Ansan (ao sul da capital Seul).

Tripulação em pânico

Transcrições das conversas entre a cabine de comando do barco e as autoridades marítimas revelam que, assim que o barco emitiu um sinal de socorro, o capitão foi aconselhado a decidir sobre a melhor maneira de retirar os passageiros da embarcação. Mas, segundo os sobreviventes, as pessoas que estavam a bordo receberam ordem de permanecer em seus assentos. Quando a balsa começou a afundar, já era tarde demais para conseguirem se salvar.

As gravações também indicaram que a tripulação não sabia a quantidade exata de botes salva-vidas existentes na embarcação. Parte da tripulação do barco também confessou para a polícia que nunca havia recebido treinamento de segurança.

Presidente condena reação da tripulação

As razões do acidente ainda não estão claras. Informações da Marinha indicam que o barco fez uma manobra brusca que pode ter desequilibrado a carga que estava no subsolo da embarcação. Com isso, o barco acabou naufragando. No momento do acidente, o comandante confirmou que não estava à frente da embarcação.

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, condenou o comportamento da tripulação. Ela declarou que a atitude do capitão e de alguns membros da tripulação foi "incompreensíve l"e comparável a um assassinato”.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.