Acesso ao principal conteúdo
África do Sul/Pistorius

Oscar Pistorius é condenado por homicídio culposo pela morte da ex-namorada

Oscar Pistorius ouve o veredicto na manhã desta sexta-feira (12) no Tribunal de Pretória.
Oscar Pistorius ouve o veredicto na manhã desta sexta-feira (12) no Tribunal de Pretória. REUTERS/Siphiwe Sibeko

O ex-atleta paralímpico Oscar Pistorius foi condenado nesta sexta-feira (12) por homicídio culposo, sem intenção, pela morte de sua ex-namorada, a modelo Reeva Steenkamp, no dia 14 de fevereiro de 2013. De acordo com a lei sul-africana, ele poderá pegar até 15 anos de prisão.

Publicidade

Segundo o veredicto lido pela juíza Thokozile Masipa no tribunal de Pretória, o campeão “agiu de maneira negligente quando atirou na porta do banheiro, sabendo que havia alguém dentro.” A sentença definitiva e a pena só serão anunciadas na audiência do dia 13 de outubro. Dependendo da decisão da Justiça, Pistorius poderá até mesmo cumprir a sanção em liberdade.

O atleta ficou impassível durante a leitura da acusação. Durante todo o julgamento, ele clamou pela sua inocência e afirmou ter confundido a ex-namorada com um ladrão. Réu confesso, ele assumiu ter disparado dois tiros, e disse que “amava a namorada.” Uma versão constestada pelos advogados de acusação, que levaram em conta os depoimentos de vizinhos que acordaram ouvindo gritos, mas não viram nada.

Os advogados acreditam que ele brigou com a namorada e cometeu o crime por ciúmes. Neste mesmo processo, Pistorius também foi considerado culpado por um tiro em um restaurante e inocentado de outras duas acusações: um tiro desferido de dentro de seu carro, em uma outra ocasião, e a detenção de munição sem autorização.

Decisão de juíza surpreende, diz militante anti-apartheid

Em entrevista à rádio France Info, a militante anti-apartheid Jaqueline Derens lembrou que o veredicto da juíza Thokozile Masipa é polêmico em um país onde as mulheres são constantemente vítimas de violência, inclusive conjugal. Segundo ela, a decisão judicial ainda mostra que "brancos e famosos" podem beneficiar de certas prerrogativas e benefícios na sociedade sul-africana. O mais surpreendente, diz, é que Masipa é a primeira juíza negra da história do país.

Ela lembrou inclusive que diversas associações pelos direitos das mulheres protestaram diante do tribunal de Pretória, exigindo uma punição mais severa contra o ex-atleta. Ele chegou a ser preso oito dias depois do crime, mas pagou uma fiança de R$ 220 mil e foi colocado em liberdade. Amputado das duas pernas, Pistorius corre com duas próteses de lâmina de carbono e ficou conhecido como “Blade Runner”. Ele ganhou oito medalhas em Paralimpíadas, sendo seis de ouro.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.