Acesso ao principal conteúdo
Faixa de Gaza/ tensão

Israel ataca Faixa de Gaza em resposta a disparos de extremistas

Foto de arquivo de tiros de foguetes da Faixa de Gaza por Israel, em junho de 2014.
Foto de arquivo de tiros de foguetes da Faixa de Gaza por Israel, em junho de 2014. REUTERS/Baz Ratner

A aviação de Israel realizou uma série de ataques aéreos contra a Faixa de Gaza no início da manhã desta quinta-feira (4), após disparos de foguetes do enclave palestino que caíram no sul do território hebreu. Os bombardeios israelenses atingiram quatro campos de treinamento do braço armado do movimento islâmico Hamas na cidade de Gaza e na cidade de Khan Yunis, segundo fontes palestinas.

Publicidade

Oficiais israelenses admitiram três ataques aéreos, sem indicar os alvos e os locais. Os disparos não deixaram vítimas. O ataque inicial foi reivindicado por um grupo que afirma pertencer aos jihadistas da organização terrorista Estado Islâmico. O surgimento da milícia em Gaza é recente.

O grupo diz que agiu para "vingar Yussef al-Hanar, assassinado para satisfazer os judeus", em referência à morte do chefe salafista em uma troca de tiros com as forças de segurança do Hamas em Gaza. Os milicianos declararam que o sangue de Al-Hanar "não será derramado em vão".

Esse grupo de simpatizantes do EI busca o apoio dos jihadistas, que proclamaram um califado entre Iraque e Síria. No entanto, até o momento não há uma relação direta confirmada entre os dois grupos.

Discordâncias entre Hamas e extremistas

O Hamas endureceu recentemente sua posição contra os islamitas radicais que vivem no enclave, num contexto de crescente tensão após a guerra contra Israel de junho de 2014. A rádio pública israelense afirmou que os disparos dos foguetes podem estar vinculados a um confronto interno em Gaza entre militantes do Hamas e opositores extremistas.

A polícia israelense havia denunciado a queda de três foguetes na noite de quarta-feira, mas não informou o local do impacto. Os lançamentos ocorreram horas após o exército responder, com bombardeios contra bases da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza, ao disparo de um foguete na noite de terça-feira contra a cidade de Ashdod.

“Responsabilizamos o Hamas por todos os disparos que ocorrerem na Faixa de Gaza e não toleraremos nenhuma tentativa de prejudicar" os israelenses, declarou o ministro da Defesa do país, Moshe Yaalon.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.