Acesso ao principal conteúdo
Guatemala

Guatemala: eleições num contexto confuso

Otto Pérez Molina, ex-presidente da Guatemala. 03/09/15
Otto Pérez Molina, ex-presidente da Guatemala. 03/09/15 REUTERS/Jorge Dan Lopez

No próximo domingo a Guatemala será palco de eleições. A população é chamada às urnas para eleger o novo presidente do país. Um sufrágio que acontece na semana em que o presidente Otto Pérez se demitiu e depois foi detido provisoriamente.  

Publicidade

No próximo domingo a Guatemala elege o novo presidente do país. Um sufrágio que acontece na semana em que todos os acontecimentos se precipitaram: com a demissão do presidente Otto Pérez Molina e a consequente detenção provisória do mesmo. O ex-chefe de Estado é acusado de corrupção. 

O contexto actual do país não favorece o sufrágio do próximo fim-de-semana. A Guatemala atravessa uma crise política sem precedentes, devido a inúmeros escândalos de corrupção que abalam o país desde há quatro meses. Escândalos que implicam homens políticos, altos funcionários e membros do Governo. Entre eles, o próprio presidente Otto Pérez Molina.  

O ex-líder da Guatemala não teve outro remédio que o de apresentar a sua demissão, decisão que tomou depois de lhe ter sido levantada a imunidade pelo parlamento. Na base da decisão parlamentar, a abertura de um inquérito judicial. Otto Pérez compareceu imediatamente perante a Justiça e passou de ontem para hoje a sua primeira noite na prisão. É acusado de encabeçar uma estrutura criminal que recebia benefícios de empresas de importação em toca de reduções substanciais nas taxas aduaneiras. 

Escândalos atrás de escândalos que levaram a população para as ruas do país, indignada com os sucessivos abusos de autoridade. A sociedade civil, até então algo apática em relação à política, passou a exigir a demissão do presidente, a reforma da lei eleitoral e o adiamento das eleições, por falta de confiança na classe política.

Neste contexto é provável que no próximo domingo, os eleitores evitem as urnas e se registe a mais elevada taxa de abstenção de sempre. 

Catorze candidatos à Presidência da Guatemala

São catorze os candidatos na corrida à Presidência do país, entre eles duas mulheres. Nenhum deverá conseguir a vitória a uma só volta. Segundo as últimas sondagens, o melhor posicionado para o posto é Jimmy Morales, um comediante muito popular na Guatemala, mas sem experiência política, e em segundo lugar Manuel Baldizon, líder do partido de extrema-direita Lider. É possível que um destes dois seja o novo presidente da Guatemala. A segunda volta das presidenciais está prevista para o dia 25 de Outubro.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.