Acesso ao principal conteúdo
Mundo

António Guterres deixa ACNUR

António Guterres, alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados -ACNUR
António Guterres, alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados -ACNUR Reuters

António Guterres deixa hoje o cargo de alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados -ACNUR.O antigo primeiro-ministro português vai ser substituído pelo diplomata italiano Filippo Grandi.

Publicidade

António Guterres assume o cargo de alto comissário das Nações Unidas para os refugiados em 2005. Em dez anos o português fez aumentar o orçamento da organização de 900 milhões para 6,5 mil milhões de euros. A proeza deveu-se ao facto do responsável ter convencido os doadores financeiros a darem mais dinheiro para os refugiados. Ainda durante o mandato de Guterres a organização passa a considerar o Médio Oriente como região crucial, o que não acontecia até então.

Aumento do número de refugiados

Mas nem tudo corre bem para o ACNUR. Quando assume as rédeas da organização, em 2005, havia na altura cerca de 38 mil refugiados em todo o mundo. Uma década depois a situação agravou-se e actualmente são cerca de 60 milhões. Os conflitos no Médio Oriente e no continente africano fazem com que a organização vive a braços com a maior crise de refugiados desde que foi fundada em 1950. Nesta batalha, António Guterres não conseguiu persuadir os líderes europeus a adoptarem as políticas necessárias para o acolhimento do crescente número de deslocados no planeta.

Guterres secretário-geral da ONU?

António Guterres chegou a ser apontado como um dos favoritos para o cargo de presidente da República em Portugal, uma informação que acabou por não se confirmar. Há quem diga que o português tem outros projectos que o podem conduzir ao cargo de secretário-geral da ONU. Todavia fala-se já na aspiração dos países da antiga União Soviética serem representados no cargo, o que seria uma estreia, conjugado ao lobby para que Ban Ki-Moon seja substituído por uma mulher. A ser verdade, António Guterres poderá ter a oposição da búlgara Irina Bokova, directora-geral da UNESCO.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.