Acesso ao principal conteúdo
Mundo

Parlamento português chumba voto de condenação a Angola

Activistas angolanos durante julgamento 28/03/16
Activistas angolanos durante julgamento 28/03/16 DR

Em Portugal, o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda viram chumbado o voto de condenação formal da sentença do tribunal de Luanda que atribuiu penas de prisão a 17 activistas angolanos.

Publicidade

O voto de condenação apresentado pelo PS foi rejeitado pelos deputados com os votos contra do Partido Social Democrata (PSD) e ainda pelo Partido do Centro Democrático Social (CDS) e pelo Partido Comunista Português (PCP).

O voto de condenação socialista tinha como intenção para lastimar "a situação a que se assiste e que atenta contra princípios elementares da democracia e dos estados de direito, fazendo votos para que seja corrigida".

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, argumentou que "é de todo o interesse do país, dos portugueses que residem e trabalham em Angola, das empresas que interagem com o território angolano, que haja estabilidade nas relações institucionais, diplomáticas entre os dois Estados e entre os respectivos órgãos de soberania".

Também o PCP apresentou uma declaração de voto; "a Assembleia da República deverá contribuir para preservar e fortalecer as relações de amizade e cooperação entre Portugal e Angola".

O tribunal de Luanda condenou, esta segunda-feira, a penas entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses de prisão efectiva 17 activistas angolanos por actos preparatórios para uma rebelião e associação criminosa.

15 jovens activistas foram detidos durante um encontro, a 20 de Junho de 2015, rejeitaram sempre as acusações que lhes foram imputadas e declararam em tribunal que os encontros semanais visavam discutir política e não promover qualquer acção violenta para derrubar o regime.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.