Acesso ao principal conteúdo
Brasil

Manifestações pró-Dilma Roussef no Brasil

Manifestantes detidos pela polícia durante protesto contra o afastamento da presidenta Dilma Rousseff
Manifestantes detidos pela polícia durante protesto contra o afastamento da presidenta Dilma Rousseff Miguel Schincariol / AFP

Continua a crise político-social no Brasil, com manifestações de apoio à ex-presidente, Dilma Roussef, destituída pelo Senado, e o novo governo que avançou com reformas sociais, como uma possível supressão da "Bolsa Famíllia".

Publicidade

A crise político-social no Brasil ganha novos contornos, com manifestações pró-Dilma Roussef, que foi afastada do poder no seguimento do processo de "impeachment" ou destituição levado a cabo a semana passada pelo Senado.

Manifestações organizadas pelo PT, Partido do Trabalho, de Dilma Roussef, sindicatos e associações ligados ao  poder destituído, mas que parecem não fazer por ora o novo poder do presidente Michel Temer, que adoptou já uma série de reformas sociais.

Por exemplo o programa com forte carga simbólico-política, "Bolsa Família", criado pelo antigo presidente brasileiro, Lula da Silva, pode vir a desaparecer, penalizando assim as famílias mais pobres.

O anúncio foi feito pelo ministro do Desenvolvimento social e agrário, Osmar Terra, declarou que o programa Bolsa Família, poderá ser reformulado, depois de um inquérito para se saber se as cerca de 14 milhões de famílias beneficárias, entram mesmo na categoria de baixo rendimento exigido.

Outra medida social anunciada por este governo foi a revisão das pensões de reforma, denunciada nessas manifestações.

A esquerda brasileira que apelou à mobilização declara que é ilegítimo este governo do presidente interino,  Michel Temer.

Mas ao ponto em que as coisas chegaram, não se vê como é que a presidente destituída, o partido PT e os movimentos de protesto, possam provocar uma reviravolta em todo o processo.

Para Nuno Pinto, Topógrafo português, na área de fotografia, no Brasil, o comboio está lançado e já não pode ser parado.

Enfim, toda esta vaga de protestos chegou ao Festival de cinema internacional de Cannes, em França, onde a equipa do único filme brasileiro em competição à palma de ouro, "Aquarius", denunciou um golpe de estado contra a presidente presidente Dilma Rousseff.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.