Acesso ao principal conteúdo
Sociedade/Egipto

EgyptAir: fumo na cabine não elucida queda do Airbus A-320

Le ministre français des Affaires étrangères Jean-Marc Ayrault ,depois  de ter recebido  as  famílias das vítimas do voo da EgyptAir. Paris. 21 de Maio de 2016
Le ministre français des Affaires étrangères Jean-Marc Ayrault ,depois de ter recebido as famílias das vítimas do voo da EgyptAir. Paris. 21 de Maio de 2016 MATTHIEU ALEXANDRE / AFP

Interrogações subistem sob as causas da queda do airbus A-320 das linhas aéreas egípcias,na madrugada de quinta-feira ao largo da ilha grega de Creta. Em declarações efectuadas aos orgãos da comunicação social em Paris, pelo chefe da dipomacia Jean-Marc Ayrault, o governo francês reafirmou que a descoberta de fumo na cabine de pilotagem do avião sinistrado,não contribui para que o inquérito em curso nos leve à conclusões precisas sobre as causas do acidente.

Publicidade

 Segundo o governo francês, após a detecção de fumo na cabine de pilotagem do airbus 320 da companhia aérea egípcia, as investigações em curso não permitem apontar as verdadeiras causas da queda do avião em pleno Mediterrânio, nas imediações da ilha grega de Creta.

 O ministro francês dos negócios estrangeiros, Jean-Marc Ayrault informou neste sábado aos media , que todas as hipóteses continuam a ser avaliadas, sem que seja privilegiado uma pista exacta, na origem da queda do avião egípcio, que transportava 66 pessoas, entre as quais uma dezena de cidadãos franceses. O chefe da diplomacia francesa considerou que as informações que circulam são contraditórias , realçando que a prioridade é recuperar os destroços do aparelho. Em nome do Presidente da República, François Hollande, do Primeiro-Ministro Manuel Valls e do governo francês,Jean-Marc Ayrault comunicou às famílias das vítimas do acidente aéreo, a sua compaixão e solidariedade nestes momentos particularmente dolorosos.

  Na sexta-feira , vários media americanos veícularam a notícia segundo a qual, o sistema automatizado de comunicações do avião da EgyptAir tinha emitido alertas três minutos antes de desaparecer dos radares.. Um dos alertas, assinalava uma fumo de origem indeterminado no sector frontal da cabine do avião e outro , segundo os referidos orgãos de comunicação, revelava a avaria do computador que controla o voo.

 Neste sábado, os peritos do Bureau de Inquérito e Análises(BEA)__ departamento francês especializado na investigação de acidentes aéreos__ confirmaram a existência dos citados alertas que apontavam para fumo na cabine de pilotagem, mas julgaram prematuro tirar ilações.

 A catástrofe do Airbus A-320 da EgyptAir , coloca a questão do posicionamento real dos aviões por satélite nas zonas não cobertas por radares. Na navegação marítima, a posição dos navios em tempo real tornou-se obrigatório desde 1988.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.