Acesso ao principal conteúdo
PORTUGAL

34 concelhos portugueses em risco máximo de incêndio

Incêndio em Águeda, Portugal
Incêndio em Águeda, Portugal Lusa

Os incêndios florestais que ameaçam o norte de Portugal intensificaram-se na noite de ontem. Mais de 3.000 homens lutavam contra 160 focos, entre eles oito considerados "importantes". Hoje, 34 concelhos estavam em risco máximo de incêndio no país.

Publicidade

Nos arredores de Aveiro, três grandes incêndios foram combatidos por 370 bombeiros, cinco aviões e um helicóptero, segundo os serviços de Defesa Civil. Nessa região, as autoridades bloquearam três autoestradas na tarde de ontem. Outro incêndio, que também ameaça desde sexta-feira Melres e Medas, a menos de 20 km do Porto, destruiu uma casa.

"A situação meteorológica em Portugal continental, principalmente nas regiões do norte e centro as condições meteorológicas favorecem a propagação dos incêndios. Temos uma situação de humidade e relativas muito baixas, valores abaixo de 20% e até menos, ventos de leste que nas terras altas são um pouco mais intensos que torna a situação muito grave para a propagação de incêndios", afirma a meteorologista portuguesa do instituto do mar e da atmosfera, Ilda Novo.

Esta é uma situação preocupante uma vez que as temperaturas altas, ventos de leste intensos e humidade baixa favorecem o risco de incêndios em Portugal continental.

"Nas regiões norte e do centro, principalmente o litoral, a situação meteorológica é muito grave. O que distingue é as situações de base, o solo, o combustível nestas regiões e se houve incêndios e, nesta altura, não há área para arder. São zonas muito urbanas e isso distingue depois os concelhos que podem estar máximo, muito elevado ou elevado", descrever a meteorologista portuguesa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.