Acesso ao principal conteúdo
Madeira

Governo regional da Madeira denuncia “fogo posto”

Panorâmica da cidade do Funchal coberta de fumo, Funchal, 10 de Agosto de 2016.
Panorâmica da cidade do Funchal coberta de fumo, Funchal, 10 de Agosto de 2016. Gregório Cunha/Lusa

O Chefe de Gabinete do Presidente do Governo Regional da Madeira, Rui Abreu, disse à RFI que o fogo no Funchal foi “fogo posto, mão humana, criminosa”. Os incêndios que deflagraram na segunda-feira nas serras da Madeira provocaram três mortos.

Publicidade

Em declarações à RFI, o Chefe de Gabinete do Presidente do Governo Regional da Madeira, Rui Abreu, disse que o fogo no concelho do Funchal foi “fogo posto, mão humana, criminosa” e testemunhou que esta tarde a situação estava mais calma, ainda que houvesse focos activos.

“O fogo iniciou-se aqui no Funchal. Esse fogo é fogo posto, mão humana, criminosa, segundo tudo indica e segundo os dados que temos da polícia judiciária”, declarou.

Rui Abreu, Chefe do Gabinete do Presidente do Governo Regional da Madeira

De acordo com a agência Lusa, o concelho da Calheta estava, esta tarde, a ser afectado por vários focos de incêndios, com a freguesia do Estreito da Calheta a implicar maior concentração de bombeiros. O maior incêndio era na freguesia do Estreito da Calheta, na zona oeste da ilha da Madeira e outro lavrava na Zona do Pinheiro (Arco da Calheta).

De recordar que os incêndios que deflagraram na tarde de segunda-feira no concelho do Funchal e em outros concelhos da ilha causaram a morte a três pessoas na zona da Pena (Santa Luzia) e destruíram dezenas de casas, tendo obrigado à evacuação dos hospitais dos Marmeleiros e João de Almada, dos lares de idosos de Santa Isabel e Vale Formoso, das clínicas de Santa Luzia e Santa Catarina e de centenas de moradias.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.