Acesso ao principal conteúdo
Portugal

Incêndios: Portugal accionou mecanismo europeu de protecção civil

Panorâmica da cidade do Funchal coberta de fumo, Funchal, 10 de Agosto de 2016.
Panorâmica da cidade do Funchal coberta de fumo, Funchal, 10 de Agosto de 2016. Gregório Cunha/ Lusa

O Governo português accionou, esta quarta-feira, o mecanismo europeu de protecção civil. Um avião Canadair italiano vai ajudar Portugal no combate aos incêndios.

Publicidade

O Governo português accionou, hoje, o mecanismo europeu de protecção civil e, pelo menos, um avião Canadair italiano vai ajudar Portugal no combate aos incêndios que lavram no norte e centro do país, depois de a Madeira ter sido assolada por vários incêndios que provocaram três mortos no Funchal.

De acordo com a agência Lusa, a Itália foi a primeira a disponibilizar um avião Canadair e esperam-se mais respostas de outros membros da União Europeia.

O mecanismo europeu de protecção civil é uma ajuda disponibilizada pelos Estados membros da UE em caso de incêndios, cheias, sismos ou outras catástrofes naturais.

Um incêndio rural na zona de Dornes, no concelho de Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, também provocou um morto e destruiu duas viaturas dos bombeiros.

 

Milhares de bombeiros a lutar contra o fogo

Ao meio-dia de hoje, eram mais de 1.700 operacionais a combater 13 grandes fogos florestais no continente português. No Funchal, os bombeiros contam com o reforço de 135 efectivos, 115 oriundos de Lisboa e outros 30 dos Açores, para continuar a apagar os diferentes focos de incêndio que esta noite provocaram três mortos, centenas de desalojados e dezenas de casas destruídas.

No continente, a página internet da Autoridade de Protecção Civil (ANPC) indicava, às 16h (hora de Lisboa), 13 ocorrências importantes nos concelhos de Idanha-a-Nova, Anadia, Castelo de Paiva, Albergaria-a-Velha, Viana do Castelo, Castanheira de Pêra, Gondomar, Arouca, Águeda, Arcos de Valdevez e Santa Maria da Feira.

Os incêndios tiraram a vida a pelo menos 3 pessoas na Madeira. Cerca de mil habitantes foram desalojados pelas chamas que de forma inédita consumiram habitações, hotéis e viaturas mesmo no centro do Funchal, a principal cidade.

As fortes rajadas de vento e as respectivas mudanças de direcção estariam na origem desta catástrofe na Madeira com o centro do Funchal a ser alvo de explosões quando o fogo avançou em várias frentes, consumindo casas e semeando o caos.

Contrariamente ao anunciado ontem durante o dia, o presidente do governo regional, Miguel Albuquerque, admitiu estar-se numa situação "periclitante", tendo sido pedido apoio ao governo central.

João Sousa, membro da polícia, prestou assistência aos bombeiros madeirenses no combate às chamas e fez-nos o ponto da situação.

 O Chefe de Gabinete do Presidente do Governo Regional da Madeira, Rui Abreu, descreve, esta tarde, a situação como calma, com meios a combater os fogos ainda existentes.

 

Internet solidária com Portugal

A "hashtag" #prayforportugal era, esta manhã, a mais comentada no Twitter e também no Facebook, com milhares de pessoas a solidarizarem-se com um país devastado pelas chamas e com o trabalho dos bombeiros.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.