Acesso ao principal conteúdo
Política/Estados Unidos /Japão

Japão: Shinzo Abe em Pearl Harbour

O Primeiro-Ministro , Shinzo Abe, passa  em revista a guarda de honra no Ministério da Defesa do Japão.Tóquio.12 de Setembro de 2016
O Primeiro-Ministro , Shinzo Abe, passa em revista a guarda de honra no Ministério da Defesa do Japão.Tóquio.12 de Setembro de 2016 KAZUHIRO NOGI / AFP

O Primeiro-Ministro japonês, Shinzo Abe , deslocou-se nesta segunda-feira para o Hawaï, onde vai se avistar em Pearl Habour com o Presidente Barack Obama. O Japão e os Estados Unidos tencionam comemorar várias décadas de reconciliação,após o ataque japonês contra Pearl Harbour durante a Segunda Guerra Mundial. A ofensiva do Japão, fez com que os Estados Unidos entrassem  em pleno no  conflito.

Publicidade

 

Shinzo Abe é o primeiro chefe de governo japonês que se desloca à Pearl Habour 75 anos , depois da ofensiva da aviação nipónica em Dezembro de 1941, que precipitará a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. A deslocação do Primeiro-Ministro Abe, foi anunciada no início do mês de Dezembro e ocorre na sequência da visita efectuada em Maio último por Barack Obama à Hiroshima, onde a primeira bomba atómica tinha sido lançada por um bombardeiro americano, em Agosto, semanas antes do fim da guerra em 1945.

 Segundo Shinzo Abe, ele vai à Pearl Harbour , na sua qualidade de Primeiro-Ministro do Japão e representante do seu povo, para prestar homenagem às vítimas do ataque japonês. O chefe de governo japonês declarou que nunca mais repetir-se-á o horror da guerra. Tal será o significado da mensagem do Japão ao mundo, que ele deseja exprimir na companhia do Presidente Barack Obama. Abe afirmou que é um compromisso perante o futuro, bem como uma oportunidade para valorizar a reconciliação entre as  duas Nações .

Shinzo Abe a Barack Obama desejam que a sua visita à Pearl Harbour realce o valor da aliança forjada entre o Japão e os Estados Unidos a seguir ao fim da Segunda Guerra Mundial. A deslocação do chefe do governo japonês ocorre menos de um mês antes da tomada de posse de Donald Trump, como o quadragésimo quinto presidente dos Estados Unidos. Trump provocou uma vaga de emoção no país do Sol nascente, ao manifestar durante a sua campanha , que tinha a intenção de repatriar as tropas americanas estacionadas no sul da península coreana, assim como no arquipélago japonês, à menos que os dois países contribuissem financeiramente para a sua manutenção.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.