Acesso ao principal conteúdo
Polónia

Senado polaco aprova lei polémica sobre Holocausto

Campo de concetração de Auschwitz, na Polónia. Janeiro de 1945.
Campo de concetração de Auschwitz, na Polónia. Janeiro de 1945. AFP

O Senado da Polónia aprovou uma lei sobre o Holocausto que prevê até três anos de prisão ou uma multa para quem usar a expressão "campos da morte polacos" para designar os campos de extermínio instalados pelo regime nazi durante a Segunda Guerra Mundial. Israel, Estados Unidos e Ucrânia criticam vivamente o diploma.

Publicidade

O objectivo da lei, que quer penalizar o uso da expressão "campos da morte polacos", é “defender a imagem do país” e impedir a atribuição ao Estado polaco dos crimes cometidos pelos nazis na Polónia ocupada na Segunda Guerra Mundial.

O Senado aprovou o documento, mas para entrar em vigor, o texto precisa de ser promulgado pelo presidente polaco, Andrzej Duda.

Nos últimos anos, o debate sobre os “campos de morte polacos” - como Auschwitz, Treblinka ou Sobibor que foram construídos e instalados pelos nazis em território polaco após a invasão em 1939 - reabriu as feridas do passado. Em causa,a publicação de teses que mostram que houve polacos que ajudaram nas atrocidades cometidas pelo regime nazi. Daí o surgimento desta lei para “defender a imagem do país”.

 

Críticas de Israel, Estados Unidos e Ucrânia

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, avisou que não vai “tolerar que se deforme a verdade e se reescreva a história ou se negue o Holocausto”.

Israel denuncia a tentativa de negar a participação de uma parte dos polacos no extermínio de judeus e teme que sobreviventes do Holocausto sejam perseguidos pela justiça se evocarem a sua história.

Em resposta, esta quarta-feira, no parlamento israelita, foi apresentada uma proposta de lei que prevê uma pena de cinco anos de prisão para os que “reduzam ou neguem o papel dos que ajudaram os nazis nos crimes cometidos contra os judeus”.

Também o ministro dos Transportes, Israel Katz, reclamou a retirada do embaixador de Israel na Polónia.

Os Estados Unidos da América juntaram-se aos protestos de Israel e pediram a Varsóvia que reconsidere a sua posição, expressando “profunda preocupação” pelas consequências do diploma. Washington avisou que pode haver “repercussões” nos “interesses e relações estratégicas da Polónia, incluindo com os Estados Unidos e Israel”.

O presidente ucraniano, Petro Porochenko, considerou o diploma « inaceitável», escreveu estar « profundamente preocupado» e denunciou considerações “distorcidas e categoricamente inaceitáveis”. É que o diploma também prevê a penalização dos que negarem os crimes dos nacionalistas ucranianos sobre os polacos, entre 1925 e 1950.

 

Mais de três milhões de judeus polacos foram exterminados pelo regime nazi

Na Polónia, antes da invasão nazi, em 1939, vivia a maior comunidade judaica da Europa, cerca de 3,2 milhões de pessoas. Mais de três milhões foram exterminados pelo regime nazi, o que representa metade da totalidade dos judeus assassinados durante o Holocausto.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Polónia foi o único território onde os alemães decretaram que qualquer ajuda aos judeus seria punida com pena de morte. 6.700 polacos foram distinguidos como “justos” por terem ajudado judeus a fugirem aos campos da morte. De acordo com o centro israelita Yad Vashem, entre 30.000 e 35.000 judeus – cerca de um por cento da comunidade judaica na Polónia – foram salvos com a ajuda da população polaca.
 

 

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.