Acesso ao principal conteúdo
Coreia do Sul

Polémica sobre general norte-coreano no fecho de JO

JO de inverno de Pyeongchang chegam ao fim sob polémica de presença de general norte-coreano acusado de crimes militares
JO de inverno de Pyeongchang chegam ao fim sob polémica de presença de general norte-coreano acusado de crimes militares REUTERS/Toby Melville

Coreia do sul, o encerramento dos jogos olimpicos de inverno, no domingo,  em território sul-coreano, está a criar celeuma em torno da visita do general norte-corenao, Kim Yong-Chol, que faz parte da lista de figuras do regime de Pyongyang, nor alvo de sançoes no quadro do programa nuclear de Pyongyang. Outra presença nos Jogos muito notada é a de Ivanka, filha do presidente americano. 

Publicidade

Polémica em torno da presença do general norte-coreano, Kim Yong-Chol, nas cerimónias de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno, de domingo, na Coreia do sul.

O general norte-coreano é considerado um criminoso de guerra, responsável por bombardeamentos, em 2010, contra a Coreia do sul, que fizeram, de um lado, 4 mortos, e doutro, 46 militares sul-coreano, no afundamento da corveta Cheon.

O general Kim Yong-Chun, que vai chefiar a delegação norte coreana no encerramento dos Jogos olímpicos de Inverno, faz igualmente parte da lista de figuras norte-coreanas, alvo de sanções no quadro do programa nuclear de Pyongyang.

É neste quadro, que vários deputados sul-coreanos, pediram ao presidente da Coreia do SUl, Moon Jae-In, para cancelar a visita do general norte-coreano, um criminoso militar, em solo sul-coreano, para os Jogos Olímpicos.

Contudo, o governo sul-coreano, tem alegado que até hoje continua a ser difícil determinar com precisão a responsabilidades nos bombardeamentos de 2010, sublinhando que a presença do general norte-coreano, pode ser uma oportunidade para uma maior estreitamento das relações entre as 2 Coreias.

Parelamente à estada do general norte-coreano, nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyengongcha, na Coreia do Sul, participa igualmente nas cerimónias de encerramento, Ivanka, filha e assessora do Presidente americano Trump.

Isto acontece numa altura em que Washington se prepara para adoptar novas sanções contra a Coreia do norte.

Mas a presença de Ivanka, na Coreia do sul, poderá ser, igualmente, oportunidade para se abordar estratégias de futuras conversações entre Washington e Pyongyang, sobre a desnuclearização da Coreia do norte.

Missão impossivel, tendo em conta que o líder norte-coreano, vem repetindo, que a comunidade internacional, tem de assumir que a Coreia do norte, já é uma potência nuclear e que de maneira nenhuma vai aceitar imposições dos Estados Unidos e da comunidade internaciona, duma maneira geral.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.