Acesso ao principal conteúdo
Estados Unidos

Europa prepara-se para retaliar às taxas de Trump

O presidente americano, Donald Trump, na Casa Branca, a 1 de março de 2018.
O presidente americano, Donald Trump, na Casa Branca, a 1 de março de 2018. REUTERS/Kevin Lamarque

A União europeia, evocou a aplicação de tarifas alfandegárias de 25% sobre produtos importados dos Estados Unidos, o que representa cerca de 2,8 mil milhões de euros, para retaliar à decisão do presidente americano, Donald Trump, de aumentar taxas de 25% para o aço e de 10% para o alumínio. Aliás, o presidente americano, já reagiu, dizendo que uma guerra comercial é saudável.

Publicidade

A União europeia evocou possíveis contra-medidas à decisão do presidente americano de aplicar o aumento de taxas sobre o alumínio e o aço que os Estados Unidos importam sobretudo do Canadá, e de um único país europeu, Alemanha.

Assim, a União europeia quer aplicar tarifas alfandegárias de 25% sobre cerca de 2,8 mil milhões de euros de importações provenientes dos Estados Unidos.

O Presidente americano, Donald Trump, reagiu, dizendo que guerras comerciais são sãs e que podem ser ganhas, com isso, dando a entender que os Estados Unidos estão em condições de ganhar qualquer guerra comercial mundial.

A posição de Donald Trump, não é nova, pois, defende nos seus livros, nomeadamente, no "The Art of the Deal" teses de guerra militar aplicadas ao comércio e negócios.

Em matéria de reacções, a comissária europeia para o comércio, Cecilia Malmstrom, declarou que se o projecto dos Estados Unidos de impor taxas sobre o aço e o alumínio importados, visasse a Europa, seria "profundamente injusto".

A comissária europeia acrescentou que a União europeia poderia estudar medidas de retorsão.

Em Paris, as taxas anunciadas por Trump são tidas como inaceitáveis.

O Canadá, principal fornecedor de aço e alumínio aos Estados Unidos, reagiu, dizendo que está pronto para represálias se as medidas anunciadas pelo presidente americano, vierem a afectar a economia canadiana.

Enfim, Pequim, apelou o presidente Trump à moderação, sem avançar, com a ideia de quaisquer medidas de retaliação.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.