Acesso ao principal conteúdo
Futebol

Mundial 2018: África ficou sem representantes

A decepção na cara dos senegaleses, Keita Balde et Kara Mbodji, após a eliminação no Mundial 2018.
A decepção na cara dos senegaleses, Keita Balde et Kara Mbodji, após a eliminação no Mundial 2018. REUTERS/David Gray

A fase de grupos do Mundial 2018, que decorre na Rússia, terminou na quinta-feira 28 de Junho com os grupos G e H. Os resultados finais acabaram por afastar as duas últimas selecções africanas ainda em prova, o Senegal e a Tunísia.

Publicidade

Nenhuma selecção africana vai estar presente nos oitavos-de-final do Campeonato do Mundo que decorre em território russo. Cinco Nações, cinco eliminações na fase de grupos.

Na quinta-feira 28 de Junho concluíram-se os dois últimos grupos, G e H, onde estavam respectivamente a Tunísia e o Senegal.

Tunísia terminou com jejum de 40 anos

Os tunisinos, que já estavam eliminados à entrada para esta terceira jornada, conseguiram alcançar uma vitória preciosa, 1-2 frente ao Panamá, que acabou com 40 anos sem vencer no Mundial. A Tunísia, na sua primeira participação num Mundial, em 1978, venceu o México, 3-1, no seu encontro de estreia. Após esse triunfo, foram 40 anos sem vencer, os tunisinos tendo participado em cinco Mundiais: 1978, 1998, 2002, 2006 e 2018.

No entanto, apesar deste triunfo frente ao Panamá, a Tunísia terminou no terceiro lugar do Grupo G com três pontos, atrás da Inglaterra com seis e da Bélgica com nove, visto que no último encontro entre os líderes, os belgas derrotaram os ingleses por 1-0. Quanto ao Panamá acabou a sua primeira participação sem um único ponto.

Em declarações à RFI, Wahbi Khazri, avançado da Tunísia, estava satisfeito com o triunfo e apontava desde já as baterias para o CAN 2019.

Wahbi Khazri, avançado da Tunísia

Senegal eliminado pelos cartões amarelos

A Selecção senegalesa estava no primeiro lugar com quatro pontos, os mesmos do que o Japão, à entrada para a derradeira jornada. Um empate frente à Colômbia era suficiente para os senegaleses continuarem na prova.

No entanto a selecção africana, apesar de ter tido uma grande penalidade assinalada e depois anulada, não conseguiu marcar nenhum golo. Com ocasiões flagrantes, o Senegal não ultrapassou o guarda-redes colombiano David Ospina. Ao contrário dos colombianos que marcaram o único golo do encontro aos 74 minutos pelo defesa central Yerry Mina.

Um golo que colocou o Senegal em perigo de ser eliminado. Todavia no mesmo momento o Japão foi surpreendido pela já eliminada Polónia, perdendo por 1-0. Na tabela classificativa, a Colômbia terminou na liderança com seis pontos, à frente do Japão e do Senegal com quatro pontos. As duas Nações tinham o mesmo número de pontos, a mesma diferença de golos, o mesmo número de golos apontados, e um empate no confronto directo (2-2). O desempate apenas foi possível pelo critério do fair-play, com o Japão a ter apenas quatro cartões amarelos e o Senegal ter seis. Colômbia e Japão seguem para os oitavos-de-final.

Em conferência de imprensa, Aliou Cissé, treinador senegalês, admitiu que estava desiludido.

Aliou Cissé, seleccionador do Senegal

De notar que desde 1982, nenhuma equipa africana vai estar presente na segunda fase do Mundial, aquela das eliminações directas.

Oitavos-de-final

França-Argentina
Uruguai-Portugal
Espanha-Rússia
Croácia-Dinamarca
Brasil-México
Bélgica-Japão
Suécia-Suíça
Colômbia-Inglaterra

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.