Acesso ao principal conteúdo
Estados Unidos/Portugal

Cristiano Ronaldo nega firmemente acusação de violação

Cristiano Ronaldo, avançado português da Juventus.
Cristiano Ronaldo, avançado português da Juventus. REUTERS/Massimo Pinca

Cristiano Ronaldo, avançado português da Juventus, voltou a reagir nas redes sociais no que diz respeito à queixa de Kathryn Mayorga, que afirma que a estrela do futebol mundial a violou em 2009. CR7 negou novamente as acusações.

Publicidade

O futebolista português, Cristiano Ronaldo, negou nesta quarta-feira 3 de Outubro, as acusações de violação de que está a ser alvo. A mensagem do avançado da Juventus foi publicada nas redes sociais.

"Nego terminantemente as acusações de que sou alvo. Considero a violação um crime abjeto, contrário a tudo aquilo que sou e em que acredito. Não vou alimentar o espetáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa", escreveu no Twitter.

O jogador de 33 anos acrescentou ainda: "Aguardarei com tranquilidade o resultado de quaisquer investigações e processos, pois nada me pesa na consciência".

Captura da conta de Twitter de Cristiano Ronaldo
Captura da conta de Twitter de Cristiano Ronaldo DR

Os factos aconteceram em 2009

Na passada sexta-feira 28 de setembro, Kathryn Mayorga, de 34 anos, contou a sua versão da história numa entrevista exclusiva à revista germânica "Der Spiegel".

Tudo terá acontecido a 12 de Junho de 2009. Cristiano Ronaldo estava em Las Vegas de férias. O internacional português estava a iniciar a sua aventura no Real Madrid, ele que se transferiu nesse Verão do Manchester United para os madrilenos.

Na altura Kathryn Mayorga tinha 25 anos e era modelo. Nessa noite Cristiano Ronaldo cruzou-se com a jovem norte-americana numa discoteca em Las Vegas. Os dois protagonistas acabaram por ir para o quarto que Cristiano Ronaldo tinha no Hotel Palms Place. A suposta vítima relatou que Cristiano Ronaldo a terá interpelado enquanto trocava de roupa e a terá forçado a praticar sexo anal. No fim, conta a norte-americana, o português ter-se-á desculpado e dito que costuma ser um cavalheiro.

No dia seguinte Kathryn Mayorga foi à polícia dar conta do que tinha acontecido, sem nunca revelar o nome do suspeito. Tinha medo das consequências. A revista alemã revela que houve um acordo extrajudicial com o português que envolveu o pagamento de 374 mil dólares (cerca de 324 mil euros) para que a mulher não falasse do que tinha acontecido. Hoje os advogados da norte-americana dizem que o acordo não tem valor legal.

Crimes de violação não são prescritos no estado do Nevada

A polícia de Las Vegas já confirmou a reabertura da investigação a uma denúncia de assédio sexual que remonta a 13 de junho de 2009. Kathryn Mayorga foi submetida a um exame médico em 2009, para apurar se tinha sido vítima de abuso sexual. Um porta-voz do Departamento da Polícia Metropolitana de Las Vegas revelou que as autoridades ainda têm o "kit" usado para fazer esse exame e que o ADN ainda pode ser retirado. Caso Cristiano Ronaldo seja obrigado a ir a tribunal, enfrenta a possibilidade de prisão efectiva, já que no estado do Nevada o crime de violação não é prescrito.

Na entrevista à publicação alemã, Kathryn disse que o caso lhe provocou um trauma para a vida. Kathryn Mayorga pede agora a Cristiano Ronaldo para pagar todos os tratamentos que tem por ter sofrido de problemas com álcool, pensamentos suicidas e perturbações psicológicas.

De referir ainda que os advogados de Kathryn Mayorga anunciaram uma conferência de imprensa para esta quarta-feira 3 de Outubro à noite para divulgar oficialmente as queixas contra o jogador português da Juventus.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.