Acesso ao principal conteúdo
Turquia /Arábia Saudita

Turquia teria provas da morte de Khashoggi

Jamal Khashoggi em Londres, a 29 de Setembro de 2018.
Jamal Khashoggi em Londres, a 29 de Setembro de 2018. Middle East Monitor/Handout via REUTERS

Esta sexta-feira, o jornal Washington Post revelou que a Turquia tem provas que o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul. Uma delegação da Arábia Saudita chegou, esta sexta-feira, à Turquia para participar na investigação sobre o desaparecimento do repórter.

Publicidade

O Washington Post revela que Ankara tem gravações em vídeo e áudio que provam que Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

O jornal norte-americano, com quem colaborava o repórter, cita como fontes funcionários norte-americanos a quem os investigadores turcos terão transmitido a informação. Segundo o Washington Post, as gravações provam que Jamal Khashoggi foi detido, interrogado, torturado, morto e desmembrado por uma equipa de segurança no consulado.

O jornalista, crítico do regime, desapareceu a 2 de Outubro depois de ter entrado no consulado para ir buscar documentos para se casar com uma cidadã turca.

Khashoggi fugiu da Arábia Saudita no ano passado por temer ser o próximo na lista de alvos a silenciar, quando o regime apertou a vigilância sobre intelectuais, ativistas e jornalistas que criticavam algumas decisões do príncipe herdeiro.

Depois do desaparecimento, amigos do jornalista disseram à imprensa turca terem a certeza que ele foi assassinado no consulado e que o seu corpo foi desmembrado e retirado do local dentro de malas.

Riade nega as acusações e alega que o jornalista saiu do local, mas sem apresentar imagens dessa saída, justificando que as câmaras do consulado não estavam a funcionar nesse dia.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu às autoridades sauditas provas de que o jornalista saiu do consulado.

Os diários turcos Sözcü e Milliyet revelaram hoje que o jornalista usava um relógio conectado ao telemóvel que tinha deixado com a noiva e que gravações áudio foram assim registadas pelo ‘smartphone’ e estão a ser analisadas pela justiça.

Vários países ocidentais, incluindo o Reino Unido e a França, manifestaram a sua preocupação e os Estados Unidos também pediram ao aliado saudita para dar explicações. Ainda que o presidente norte-americano esteja a ser pressionado por congressistas para suspender a venda de armas ao reino saudita, Donald Trump já deixou claro que não o fará.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.