Acesso ao principal conteúdo
Venezuela

Tensão entre Venezuela e Colômbia devido a ajuda humanitária

Presidentes colombiano, Iván Duque e americano, Donald Trump na Casa Branca a 13 de fevereiro de  2019.
Presidentes colombiano, Iván Duque e americano, Donald Trump na Casa Branca a 13 de fevereiro de 2019. REUTERS/Carlos Barria

A crise política, económica e social na Venezuela está a afectar as relações com a vizinha Colômbia, cujas autoridades estão decididas a enviar ajuda humanitária aos venezuelanos, para não continuarem a fugir para o território colombiano. Mas há uma grande tensão entre os dois países, porque o presidente venezuelano contestado, Maduro, já recusou a ajuda e quer enviar militares para a fronteira com a Colômbia.

Publicidade

Barulho de botas na Venezuela, com o Presidente contestado pela comunidade internacional, Nicolas Maduro, a ameçar enviar forças militares para a fronteira com a Colômbia vizinha, determinada a enviar ajuda humanitária ao povo venezuelano.  

Maduro pediu ontem ao seu comando militar para preparar um "plano especial de instalação de militares na fronteira colombiana  de cerca  2.200 km.

Maduro quer avaliar a situação para que essa fronteira "seja inviolável, imbatível e inexpugnável".

"Não estou a exagerar. Donald Trump e Iván Duque, anunciaram na Casa Branca planos de guerra contra a Venezuela", acrescentou, Maduro, em referência ao encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e da Colômbia. 

O Presidente colombiano, Duque, que tem manifestado a sua determinação em enviar uma ajuda humanitária para socorrer o povo venezuelano, conversou ontem ao telefone com o Presidente interino venezuelano, reconhecido internacionalmente, Juan Guaidó, o que enfurece Maduro.

Os Estados Unidos já enviaram mais de 200 toneladas de alimentos e medicamentos para  Cúcuta, cidade colombiana junto à fronteira venezuelana, ajuda bloqueada pela tropa de Maduro.

Mas o Presidente interino, Juan Guaidó, continua a repetir que essa ajuda humnanitária entrará no seu país, custe o que custar, no dia 23 de fevereiro, ou seja, um mês depois que se autoproclamou Presidente da Venezuela.

A pressão americana aumentou, com o vice-Presidente americano, Mike Pence a exortar hoje a União Europeia a reconhecer como um todo Juan Guaidó, como Presidente da Venezuela.

Mike Pence, declarou no seu discurso na conferência anual de Munique, sobre a segurança, que Juan Guaidó, merece ser reconhecido Presidente da Venezuela, não apenas pelos Estados Unidos, Canadá, Brasil e por certos países europeus como a França, mas "pelo resto do mundo".

Enquanto isto, o problema mais candente é de facto a situação de milhares de venezuelanos que abandonam o país, refugiando-se nomeadamente, em várias cidades da vizinha Colômbia.

Cristina Matias, artista plástica e Presidente da Casa Portuguesa, em Bogotá, conta-nos a situação dos venezuelanos, inclusivé, de origem portuguesa, que chegam à capital colombiana.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.