Acesso ao principal conteúdo
JAPÃO

Japão/França: Carlos Ghosn denuncia traição na Nissan

Conferência de imprensa em Tóquio a 9 de Abril de 2019 de advogados do antigo PCA da Nissan com vídeo gravado do ex patrão da Nissan Carlos Ghosn .
Conferência de imprensa em Tóquio a 9 de Abril de 2019 de advogados do antigo PCA da Nissan com vídeo gravado do ex patrão da Nissan Carlos Ghosn . REUTERS/Issei Kato

Carlos Ghosn, ex patrão da Renault Nissan Mitsubishi, continua detido no Japão. O franco-brasileiro-libanês num vídeo gravado pouco antes da sua nova detenção, na semana passada, mas só hoje divulgado pelos seus advogados em Tóquio, alega estar inocente dos crimes de que é suspeito e denuncia uma conspiração de personalidades de dentro da construtora automóvel Nissan.

Publicidade

"A minha primeira mensagem é dizer que estou inocente.

Estou inocente de todas as acusações levantadas contra mim, bem como de acusações em torno do caso, de que eu seria uma personagem dada à cobiça e à ditadura.

Em segundo lugar quero vincar que gosto do Japão e da Nissan.

Particularmente quando os últimos anos foram marcados por tantas metas alcançadas.

Em terceiro lugar quero dizer que se trata aqui de uma conspiração.

Havia receio de que na próxima etapa da aliança se chegasse a uma fusão.

Finalmente quero deixar claro que a minha grande esperança e o meu maior desejo é de contar com um julgamento justo."

O vídeo em inglês do antigo patrão da Renault Nissan foi realizado logo antes da sua detenção a 4 de Abril.

Ele fora solto a 6 de Março, sob fiança, mas tinha sido detido em Tóquio a 19 de Novembro.

A sua esposa, Carole Ghosn, acabou por deixar nos últimos dias o Japão, segundo o advogado principal do seu marido, Junichiro Hironaka, por recear pela sua segurança.

O franco-libanês-brasileiro é acusado pela justiça nipónica de desvios de fundos e de fuga ao fisco.

Os advogados de Ghosn decidiram cortar um excerto do vídeo de uma duração total de oito minutos (30 a 40 segundos) onde o antigo patrão da Renault Nissan Mitsubishi nomeava os autores da campanha orquestrada, supostamente, contra ele.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.