Acesso ao principal conteúdo
SRI LANKA

Decretado Estado de emergencia em Sri Lanka

Ataque a igreja  catolica, Sri Lanka, 2019.
Ataque a igreja catolica, Sri Lanka, 2019. REUTERS/Dinuka Liyanawatte

As autoridades do Sri Lanka decretaram o estado de Emergência a partir de hoje, depois dos ataques sangrentos coordenados ocorridos neste Domingo em 3 unidades hoteleiras de luxo e em 3 igrejas, durante a missa da Páscoa, em pontos distinctos do país, nomeadamente em Colombo, a capital, que causaram pelo menos 290 mortes e uns 500 feridos, segundo um último balanço. 

Publicidade

Segundo o porta-voz da polícia cingalesa, Ruwan Gunasekera, o número de suspeitos envolvidos no ataque deste domingo subiu de 13 para 24.

Para além da descoberta ontem perto do aeroporto de Colombo de uma bomba artesanal entretanto desactivada, a policia informou ainda ter descoberto 3 outras bombas na capital que acabaram por explodir quando os agentes de segurança estavam a tentar desactivà-las, sem causar vítimas.

Uma furgoneta estacionada junto de uma igreja em Colombo também explodiu hoje quando a polícia estava a tentar neutralizar as bombas que se encontravam no interior. Até ao momento, não há igualmente registo de vítimas.

Também no rescaldo do sucedido ontem, a polícia refere ter descoberto hoje 87 detonadores de bombas num terminal de autocarros na capital.

Embora até ao momento não tenha havido reivindicação destes ataques, ao indicar que os seus autores eram 7 kamikazes de nacionalidade cingalesa com eventuais ligações ao estrangeiro, o governo apontou o dedo a um grupo islâmico local, o National Thowfeek Jamaath.

Segundo ministro do Turismo do Sri Lanka, John Amaratunga, entre os mortos estão turistas de varias nacionalidades, entre eles Dinamarqueses, australianos, americanos, chineses, japoneses, britânicos, turcos e indianos, além de um português, de acordo com informações fornecidas pelos respetivos Governos.

Mais Pormenores aqui.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.