Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Pequim continua a reprimir valores de Tiananmen

Áudio 07:55
Três décadas depois do massacre de Tiananmen, o regime chinês nega as acusações de “banho de sangue".
Três décadas depois do massacre de Tiananmen, o regime chinês nega as acusações de “banho de sangue". REUTERS/Arthur Tsang

Há 30 anos, na noite de 3 para 4 de Junho, o exército chinês calou violentamente as vozes de milhares que há várias semanas se manifestavam a favor da democracia.Três décadas depois do massacre de Tiananmen, o regime chinês nega as acusações de “banho de sangue” e sublinha que, em 1989, as autoridades tomaram a “decisão correcta” ao travarem os protestos com tanques militares.30 anos depois o assunto é tabu na China. O número oficial de mortos e feridos nuca foi divulgado. O episódio não consta no programa escolar e a grande muralha informática chinesa trata de censurar toda a referência à repressão.30 anos depois os valores de Tiananmen continuam a ser reprimidos, tal como refere Teresa nogueira, coordenadora da Amnistia Internacional Portugal para as questões da China.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.