Acesso ao principal conteúdo
Hong Kong

Domingo de protestos em Hong Kong exigindo mais liberdades

Dezenas de millhares de pesoss manifestaram-se pacificamente este domingo em Hong Kong reclamando liberdade e democracia
Dezenas de millhares de pesoss manifestaram-se pacificamente este domingo em Hong Kong reclamando liberdade e democracia REUTERS/Tyrone Siu

Este domingo foi marcado como o previsto por um novo movimento de protesto em Hong Kong, com dezenas de milhares de manifestantes no Parque Victoria ponto de encontro para uma outra manifestação anti-governamental. Mas, devido à chuva o movimnnto de protesto foi mais fraco do que aquele de junho reclamando  projecto  de lei de extradição para China de pessoas críticas ao regime chinês.    

Publicidade

Dezenas de milhares de manifestantes, a maioria vestida de negro, regressaram hoje às ruas de Hong Kong, debaixo de fortes chuvas até ao Parque Vaictória, donde partiram para outra manifestação contra o governo local.

Após 10 semanas de protestos, os seus organizadores das fileiras da Frente cívica dos direitos humanos tentaram juntar muitos manifestantes como aconteceu em junho para rejeitar o projecto  de lei de extradição para China e exigir a demissão de Carrie, chefe do executivo local. 

Mas, apesar de ter havido muita gente, nas manifestações, o número não atingiu a pujança da manifestação de junho.

Duas das explicações é que o dia ficou marcado por fortes chuvas e a segunda é que Pequim conseguiu meter medo aos manifestantes, enviando tropas para Shenzhen, mesmo colocado a Hong Kong.

Manifestantes voltam a desafiar Pequim que se mantém firme

Mesmo assim o parque Victória estava a rebentar pelas costuras e a seguir os manifestantes seguiram para o centro financeiro, a parte ocidental de Hong Kong.

Para muitos manifestantes, Pequim quer controlar mais o território de Hong Kong e pôr em causa o princípio de "um país, dois sistemas", negociado na altura do retrocessão da ex-colónia britânica de Hong Kong à China. 

Esta fórmula marcava na ralidade a soberania chinesa sobre a regiao administrativa especial, reconhecendo no entanto a autonomia do território e o respeito das liberdades individuais.

Mas uma grande parte da população, sobretudo os jovens, está a descobrir todos os dias que há uma restrição das liberdades em Hong Kong.

Assim nas manifestações podia-se ler nos cartazes slogans como "queremos um Hong Kong livre" e "democracia já". 

Ontem, houve uma grande manifestação organizada pela Frente cívica dos direitos humanos e os professores, mas paralelamente, o governo local, mobilizou também os seus apoios que segundo a polícia reuniram 475 mil pessoas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.