Acesso ao principal conteúdo
Portugal:ONU

Portugal: Vale a pena lutar por mais direito internacional

Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, na Assembleia Geral da ONU a 24 de Setembro de 2019.
Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, na Assembleia Geral da ONU a 24 de Setembro de 2019. AFP

O Presidente português afirmou diante da Assembleia-Geral das Nações Unidas que continua a fazer sentido lutar por mais direito internacional. Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que Portugal é um país de acolhimento que combate xenofobias e intolerâncias.

Publicidade

Portugal foi o terceiro país lusófono a discursar no arranque, ontem, da 74°Sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas. O chefe de Estado português afirmou que vale a pena lutar por mais direito internacional. “Vale a pena pensar que tem sentido lutar por mais direitos internacionais para reger as relações entre povos e estados (…) Vale a pena lutar por uma visão multilateral de todos, a começar nos que se consideram mais poderosos, porque ninguém é uma ilha, ninguém consegue sozinho, ou com alguns aliados, enfrentar problemas globais”.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que Portugal é um país de acolhimento de migrantes e um país que combate xenofobias e intolerâncias. Desde que nascemos, há nove séculos, que temos milhões de portugueses espalhados pelo mundo. Acolhemos o que nos chegam, combatendo xenofobias e intolerâncias. Consideramos prioritária a educação, consideramos que é preciso evitar a radicalização, o tráfico de seres humanos, e salvaguardar a paz e os direitos das pessoas e das comunidades”.

O chefe de Estado aponta Portugal como um exemplo na luta pela proteção do Planeta, referindo que “tal como não existe Planeta B, também não existe Portugal B, e que todos os esforços são necessários”.

O presidente português reiterou ainda seu compromisso com o multilateralismo, pediu que Brasil, Índia e África obtenham um lugar no Conselho de segurança das Nações Unidas.

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.