Acesso ao principal conteúdo
Reino Unido / União Europeia

Boris Johnson propõe um novo plano de Brexit à UE

O Primeiro-ministro britânico Boris Johnson durante o discurso de encerramento do congresso dos conservadores em Manchester, neste 2 Outubro de 2019.
O Primeiro-ministro britânico Boris Johnson durante o discurso de encerramento do congresso dos conservadores em Manchester, neste 2 Outubro de 2019. REUTERS/Henry Nicholls

O Primeiro-Ministro britânico formalizou hoje junto da União Europeia a sua nova proposta de compromisso sobre o Brexit. Ao apresentar este plano, Boris Johnson aumentou a pressão sobre os seus parceiros europeus, referindo que o seu país estava pronto para uma saída sem acordo no caso de este compromisso não receber luz verde.

Publicidade

Uma zona regulatória comum em toda a ilha irlandesa durante um período transitório de 4 anos. Esta é a proposta do governo britânico para resolver o Brexit até ao final do mês para garantir a liberdade de circulação de mercadorias entre a Irlanda do Norte e a vizinha República da Irlanda sem controlos nem postos fronteiriços que poderiam reacender o conflito no território britânico.

O Reino Unido propõe sair da união aduaneira europeia, mas deixar a Irlanda do Norte alinhada com o mercado único entre 2021 e 2025. A partir dessa data, caberia aos parlamentares da Irlanda do Norte decidir o tipo de relação pretendem ter com a União Europeia, designadamente no que tange ao mercado único. Segundo o primeiro-ministro britânico, este é um gesto de paz para Bruxelas.

“Sim, isto é uma concessão do Reino unido e espero que os nossos amigos compreendam e façam cedências da parte deles. Porque, se não conseguirmos chegar a um acordo, a alternativa é uma saída sem acordo", declarou o Primeiro-ministro britânico que tornou a martelar hoje que o seu país vai sair da União Europeia a 31 de Outubro, como previsto, com ou sem acordo.

O plano está detalhado num documento de sete páginas que pretende ser o início de negociações intensas. O objectivo de Boris Johnson é finalizar um novo acordo em 15 dias, a tempo do Conselho Europeu de 17 de Outubro. Resta saber se a União Europeia considera este plano credível e aceita negociar, mesmo sabendo que potenciais concessões poderão ser no final chumbadas novamente no parlamento britânico. Mais pormenores com Bruno Manteigas.

Reagindo desde já a esta proposta, a Comissão Europeia saudou "a determinação de Boris Johnson em fazer progredir as discussões" e ao conceder que existem "pontos positivos", não deixou de mencionar que ainda permanecem "alguns pontos problemáticos suplementares que deverão ser afinados nos próximos dias". Por sua vez, sem comentar o conteúdo deste plano, a Chanceler alemã Angela Merkel considerou que os parceiros europeus deviam permanecer "unidos" perante o novo "compromisso" proposto por Londres.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.