Acesso ao principal conteúdo
França

França: polícia em "marcha da revolta"

Polícias desfilando sem uniforme na "Marcha da revolta" em Paris na tarde deste 2 de Outubro de 2019.
Polícias desfilando sem uniforme na "Marcha da revolta" em Paris na tarde deste 2 de Outubro de 2019. AFP

Milhares de polícias desceram hoje às ruas de Paris para efectuar o que chamam de "marcha da revolta", em protesto nomeadamente contra as suas condições de trabalho deficientes ou ainda a perspectiva de uma possível alteração do seu sistema específico de aposentações.

Publicidade

Respondendo ao apelo de um leque alargado de sindicatos da classe, esta mobilização inédita em quase vinte anos no seio de uma profissão por essência pouco propensa a manifestar, acontece numa altura em que se têm acumulado vários sinais vermelhos.

Desde o início do ano, 49 polícias suicidaram-se. Apesar de o governo ter anunciado em Abril a criação de uma célula de prevenção, os sindicatos consideram que as medidas são insuficientes. Ainda em finais de Julho, no espaço de apenas uma semana, 5 agentes tiraram a própria vida.

Para além da falta de meios e quartéis em más condições, os agentes policiais têm acumulado nos últimos meses 23 milhões de horas extraordinárias ainda por pagar, designadamente devido à sua mobilização no âmbito das manifestações todos os Sábados dos "coletes amarelos" desde finais de 2018... um envelope de 300 milhões de Euros que o governo refere pretender pagar em parte até ao final do ano.

Noutro aspecto, a sua carga horária e sobretudo o seu ciclo de trabalho faz com que actualmente cada polícia beneficie de apenas um fim-de-semana de descanso em seis semanas, o que tem incidências sobre a sua vida pessoal. Neste âmbito, os sindicatos de classe pretendem obter modificações mais favoráveis nos ciclos de trabalho.

Somado a isto, numa altura em que o governo anuncia reformas no sistema de aposentações incluindo o sistema especifico dos policias, os sindicatos receiam que seja posto em causa o seu regime que actualmente prevê que, após 27 anos de serviço, um policia beneficie de bonificações, com a atribuição de um ano de cotização suplementar de 5 em 5 anos, no limite de 5 anuidades.

Ainda hoje, o ministro francês do interior Christophe Castaner confirmou ainda hoje que "haverá modificações no seu regime, à semelhança do que sucede com todos os franceses, mas será tomado em consideração o perigo inerente ao seu trabalho enquanto polícias". Declarações que não dissipam os receios dos sindicatos. Mais pormenores aqui.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.