Acesso ao principal conteúdo
Chile

Piores motins em décadas no Chile

Manifestante em frente a um tanque militar em Santiago. 19 de Outubro de 2019.
Manifestante em frente a um tanque militar em Santiago. 19 de Outubro de 2019. Martin BERNETTI / AFP

No Chile, três pessoas morreram na madrugada deste domingo num incêndio num supermercado de San Bernardo, nos arredores da capital, onde tumultos, incêndios e saques marcaram a noite dos piores motins de há décadas no país.

Publicidade

Além de Santiago do Chile, a capital, foi decretado o recolher obrigatório em Valparaíso, no centro do país, e em Concepción, no sul. 9.500 polícias e militares foram mobilizados para enfrentar os piores motins em décadas.

O aumento do preço do metro, na sexta-feira, foi o gatilho dos protestos e o Presidente até recuou na medida. Mas a indignação não parou e em três dias tornou-se no símbolo de uma grave crise social que atravessa o Chile, considerado como um dos países mais estáveis da América Latina. Os manifestantes denunciam as desigualdades sociais, a pobreza e contestam, por exemplo, um modelo económico em que o acesso à saúde e à educação é feito pelo sector privado.

Na sexta-feira à noite, o Presidente Sebastian Pinera decretou o estado de emergência na capital durante 15 dias, depois estendeu a medida a Valparaíso, mas nem a mobilização do exército travou os motins nesta que é a primeira vez que os militares patrulham as ruas desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet em 1990.

O exército decretou mesmo o estado de sítio na capital, mas os protestos e as violências continuaram, com dezenas de supermercados, carros e estações de serviço pilhadas e incendiadas. Mais de 300 pessoas foram detidas e há registo de três mortos num incêndio num supermercado nos arredores da capital.

Este domingo, Santiago do Chile estava paralisada e, para esta segunda-feira, o governo anunciou que não vai haver aulas em várias escolas em Santiago.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.