Acesso ao principal conteúdo
Economias

Os desafios que esperam Christine Lagarde no BCE

Áudio 12:41
Christine Lagarde, a nova directora do BCE, em Bruxelas no passado 4 de Setembro de 2019.
Christine Lagarde, a nova directora do BCE, em Bruxelas no passado 4 de Setembro de 2019. REUTERS/Francois Lenoir

A antiga directora-geral do FMI, a francesa Christine Lagarde entra oficialmente em funções esta Sexta-feira como nova directora do Banco Central Europeu. Lagarde chega numa altura de incerteza para a Europa que ainda não sarou totalmente as feridas deixadas pela crise económica de 2008, o continente estando também a debater-se com um fraco crescimento, rondando pouco mais de 1% este ano, que augura inclusivamente um novo período de recessão.

Publicidade

Neste quadro pouco auspicioso, o sector automóvel da Alemanha -a locomotiva da Europa- está em pleno período de turbulências e a perspectiva da saída do Reino Unido da União Europeia cria também um clima económico particularmente volátil.

Um contexto em que analistas antevêem uma missão difícil para a nova directora do BCE cuja ambição é designadamente de concretizar o projecto de união bancária a nível europeu, um projecto que implicaria uma maior solidariedade da união em caso de nova crise, mas que tem encontrado até agora a oposição dos chamados "falcões" da Alemanha, defensores de uma política de austeridade.

Em entrevista com a RFI, José Reis, professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, enuncia alguns dos desafios que esperam Christine Lagarde.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.