Acesso ao principal conteúdo
Espanha

Espanhóis votam em eleições legislativas para clarificar crise política

Votante antes de exercer seu direito de voto nas legislativas em Espanha
Votante antes de exercer seu direito de voto nas legislativas em Espanha REUTERS/Susana Vera

Em Espanha, dia de eleições legislativas, pela quarta vez em quatro anos. Um escrutínio marcado pela crise na Catalunha e pela subida da extrema direita. 6 meses após as eleiçoes de abril em que venceu sem maioria absoluta, o primeiro-ministro socialista pediu aos espanhóis um mandato claro para acabar com a instabilidade política que reina desde 2015.

Publicidade

Sem nenhum incidente a registar até ao momento, a jornada eleitoral decorre em Espanha num clima de "total normalidade", segundo fontes oficiais do Governo.

Esta é a segunda vez que os espanhóis são chamados às urnas em 2019. A quarta, nos últimos quatro anos.

Em abril, o Partido Socialista Espanhol de Pedro Sánchez ganhou as eleições, mas não alcançou a maioria absoluta.

Sete meses depois, e falhadas todas as possíveis negociações com outros partidos para formar Governo, os resultados do sufrágio de hoje deverão voltar a mostrar uma Espanha muito fragmentada.

As sondagens indicam uma nova vitória do PSOE, mas mais curta, pelo que a chave para uma maioria no Parlamento deverá novamente depender das negociações entre os partidos.

Eleições com extrema direita a meter medo sem convencer

O partido de extrema-direita VOX foi a grande surpresa das sondagens pré-eleitorais, ao ser apontado como a terceira força política espanhola. Isto poderia abrir uma oportunidade para um acordo de Governo entre os partidos de direita, caso não haja uma maioria à esquerda.

Uma hipótese talvez remota, mas sustentada pelos sucessivos fracasso nas negociações entre a ala esquerda.

Milhares de agentes policiais foram enviados para a Catalunha, para assegurar que a jornada eleitoral decorre dentro da legalidade.

Isto após os distúrbios das últimas semanas na região, em resposta à sentença do Tribunal Supremo espanhol, que mantém em prisão os líderes independentistas envolvidos no referendo ilegal de autodeterminação da Catalunha. Apesar da ameaça, não se registou nenhum incidente ao longo do dia.

Os primeiros resultados provisórios das eleições serão conhecidos em poucas horas, a partir das 21:30.

De Madrid, o nosso correspondente, Miguel Araújo.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.