Acesso ao principal conteúdo
Estados Unidos

Início do processo de Harvey Weinstein indiciado de violação sexual

Inicio do processo contra Harvey Weinstein
Inicio do processo contra Harvey Weinstein REUTERS/Carlo Allegri/File Photo

Começou esta segunda-feira em Manhattan o processo do produtor norte-americano Harvey Weinstein de 67 anos, acusado de violação e assédio sexual por mais de 80 mulheres, apenas duas vítimas comparecem em tribunal e uma delas requereu o anonimato.

Publicidade

Começou esta segunda-feira (6/01) em Manhattan o processo do ex-produtor de cinema norte-americano Harvey Weinstein, indiciado de violação e agressão sexual por mais de 80 mulheres, entre as quais muitas actrizes célébres, casos de Gwynethy Pal trow, Angelina Jolie, Asia Arento, Lucia Evans ou Léa Seydoux entre muitas outras, que acusaram o ex-magnata de Hollywood de violação e/ou agressão sexual.

No entanto a maior parte das acusações prescreveram, ou as vítimas concluiram acordos financeiros com Weinstein e apenas duas vítimas comparecem no tribunal de Manhattan esta segunda-feira (6/01).

As acusadoras são: a sua antiga assistente de produção Mimi Haleyi, que o acusa de ter abusado dela em 2006 e uma outra que requereu o anonimato e acusa Weinstein de violação em 2013, o que revela a dificuldade de constituir um dossier penal sem provas materiais, nem testemunhas, em torno de factos e acusações que remontam a vários anos.

Harvey Weinstein que corre o risco de ser condenado a prisão perpétua nos Estados Unidos onde 29 outras mulheres o acusam de assédio sexual (mas também foi acusado no Canadá e na Europa) nega em bloco as acusações e afirma que sempre teve relações sexuais consentidas.

Os factos foram revelados a 5 de Outubro de 2017 no jornal New York Times pelas jornalistas Megan Twohey e Jodi Kantor e confirmadas posteriormente na revista New Yorker, o que desencadeou o movimento planetário hashtag #MeeToo, através do qual centenas de mulheres acusaram de abusos sexuais pessoas ligadas ao mundo do espectáculo, da política e outros.

Harvey Weinstein foi indiciado por violação em Maio de 2018 e pagou 1 milhão de dólares de fiança para aguardar o processo em liberdade, mas foi obrigado a usar uma pulseira electrónica e entregar o seu passaporte às autoridades.

Entrevistada este domingo (5/01) por Anne Corpet, enviada especial da RFI a Nova Iorque Gloria Allred, advogada de defesa das duas vítimas do predador sexual Harvey Weinstein, elogia a coragem das mesmas e admite que o seu interrogatório será intenso e brutal.

"Penso que as minhas clientes, que vão testemunhar no processo Weinstein são muito corajosas, pois acho que o interrogatório cruzado será muito intenso e brutal.

Vão questioná-las sobre o que se passou, fazê-las recordar coisas que podem ser muito dolorosas, depois serão intensamente interrogadas pelos advogados de defesa, que farão o possível para tentar pôr em causa a sua credibilidade e vão sugerir motivações, verdadeiras ou falsas, para explicar o facto delas testemunharem contra o senhor Weinstein.

Elas vão ter que ser muito corajosas, responder honestamente, contar a sua verdade, haverá muita pressão, pelo que as admiro, uma vez que não têm qualquer benefício com os seus testemunhos, não vão ganhar dinheiro com este processo, mas fazem-no porque é a coisa certa a fazer".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.