Acesso ao principal conteúdo
Alemanha

Sismo político na CDU de Angela Merkel

Annegret Kramp-Karrenbauer com a chaceler Angela Merkel após ter sido eleita prsidente da CDU a 7/12/2018.
Annegret Kramp-Karrenbauer com a chaceler Angela Merkel após ter sido eleita prsidente da CDU a 7/12/2018. REUTERS/Fabian Bimmer

Annegret Kramp-Karrenhauer, sucessora da chanceler Angela Merkel na direcção da União Democrata Cristão - CDU - anunciou esta segunda-feira (10/02) que vai renunciar ao cargo e que não será candidata nas próximas eleições legislativas.

Publicidade

O partido da chanceler Angela Merkel enfrenta uma grave crise interna desde a eleição na passada quarta-feira (5/02) do liberal Thomas Kemmerich para dirigir a Turíngia, no leste do país, com uma aliança inédita entre o seu partido FDP, os conservadores da CDU e o partido de extrema direita Alternância para a Alemanha ou AfD.

No dia seguinte (6/02) ele anunciou que ía pedir a dissolução do parlamento regional e novas eleições antecipadas e este sábado (8/02) acabou por se demitir, como exigido Partido Social Democrata, aliado da CDU de Angela Merkel na coligaçao que governa a Alemanha.

Kemmerich foi eleito à terceira volta por apenas um voto a mais do que o seu antecessor Bodo Ramelow, que esperava manter-se na liderança da Turíngia, com um governo minoritário associando o seu partido Dike, os sociais democratas e os Verdes.

Annegret Kram-Karrenbauer, delfim de Angela Merkel, conhecida pelas suas iniciais "AKK" que foi eleita presidente da União Democrata Cristã na segunda volta a 6 de Dezembro de 2018 e posteriormente ministra da defesa - em substituição de Ursula von der Leyen eleita a 16 de Julho presidente da Comissão Europeia - anunciou também que não tenciona candidatar-se a chanceler em 2021.

Annegret Kramp-Karrenbauer renuncia à liderança da CDU

"AKK" membro da ala esquerda da CDU, precisou ainda que a relação entre o seu partido e a AfD de extrema direita não é clara e reiterou que rejeita qualquer aliança com a extrema direita ou com a esquerda radical.

Mas a verdade é que a demissão de Annegret Kramp-Karrenbauer significa acima de tudo mais um grande revés para Angela Merkel.

Mas quem substituirá AKK ?

Para já são evocados os nomes do conservador Friedrich Merz, antigo patrão do gigante de activos financeiros BlackRock (ex-opositor frontal de angela Merkel) que ficou em segundo lugar face a "AKK"ou o ministro da saúde Jens Spahn mais à direita, mas um candidato mais centrista seria mais consensual, caso de Armin Laschet presidente do Renânia Norte Vestfália.

Após 18 ans de liderança e quatro mandatos, não se sabe se Angela Merkel terminará este último que vai até 2021, mas enquanto isso a extrema-direita é cada vez mais uma força política incontornável no leste da Alemanha, a antiga RDA, de onde Merkel é oriunda.

Na sequência desta demissão, haverá novas eleições no Estado federal da Turíngia e a chanceler Angela Merkel anunciou este sábado a demissão de Christian Hirte, secretário de Estado do ministério da economia e da energia e comissário do governo central para os Estados do leste da Alemanha, que nas redes sociais elogiou a vitória de Kemmerich.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.