Acesso ao principal conteúdo
São Tomé e Príncipe

São Tomé: Primeiro-ministro justifica corte de relações com Taiwan

Patrice Trovoada, Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe.
Patrice Trovoada, Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe. MONEY SHARMA / AFP

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, justificou o corte de relações com Taiwan. O chefe de governo defendeu que “a República Popular da China hoje é o maior parceiro bilateral do continente africano”.

Publicidade

O posicionamento actual da China Popular no contexto internacional é determinante no desenvolvimento económico do mundo, sobretudo nos países com menos rendimentos. Esta é uma das razões apontadas pelo primeiro-ministro são-tomense para justificar o corte das relações com Taiwan.

“Decidimos aderir ao princípio de uma só China em direito internacional, princípio esse que, ao aderir, implica o corte de relações com Taiwan. Nesse caso particular, dizer também que as relações internacionais e o cenário internacional há 20 anos não é o cenário internacional de hoje. A República Popular da China hoje é o maior parceiro bilateral do continente africano”, indicou Patrice Trovoada.

Oiça aqui a reportagem de Maximino Carlos, correspondente em São Tomé e Príncipe.

O sociólogo são-tomense Olívio Diogo descreve alguns impactos sociais deste corte bilateral entre Taiwan e São Tomé e Príncipe; "a primeira repercussão é social. A partir deste momento, no que diz respeito à saúde o impacto será evidente porque Taiwan fornece assistência médica e medicamentosa para São Tomé e Príncipe".

O corte de relações com Taiwan assenta no reconhecimento do princípio da existência de uma só China. São Tomé e Príncipe tinha cortado as relações diplomáticas com Pequim em 1997, reconhecendo Taiwan, na altura um dos quatro "tigres asiáticos", ao lado da Coreia do Sul, Hong Kong e Singapura. Porém, nos últimos anos, a República Popular da China tornou-se na segunda maior economia mundial e concedeu quase 100 mil milhões de dólares em assistência financeira aos países africanos.

A decisão de São Tomé reduz para 21 o número de Estados que mantêm laços diplomáticos com Taipé.
 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.