Acesso ao principal conteúdo

FMI não vai colaborar com São Tomé e Príncipe

O FMI revisa para baixo crescimento da economia mundial em 2015.
O FMI revisa para baixo crescimento da economia mundial em 2015. Marcos Santos/USP Imagens

O Fundo Monetário Internacional anunciou que não vai colaborar na construção do porto de águas profundas em Fernão Mendes nem nas obras de reabilitação do aeroporto de São Tomé. A decisão do FMI deve-se ao elevado o nível de endividamento do país.

Publicidade

O elevado nível de endividamento de São Tomé e Príncipe é o argumento dado pelo Fundo Monetário Internacional que anunciou que não vai colaborar com o país na construção do porto de águas profundas, nem nas obras de reabilitação do aeroporto do país.

O FMI que teve um papel determinante no perdão da dívida externa em 2007, avaliada em 300 milhões de dólares, reconhece a importâncias destas infra-estruturas, contudo considera que estes projectos devem ser analisados de forma e evitar o aumento da dívida externa.

As declarações foram feitas pelo chefe do departamento do Fundo Monetário Internacional para o continente africano, David Owen, que se reuniu com Patrice Trovoada, após a deslocação do primeiro-ministro a Washington.

A posição do FMI é conhecida numa altura em que o ministro da presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares, Afonso Varela, anunciou que a data do início das respectivas obras será conhecida no primeiro semestre deste ano.

Correspondência de Máximino Carlos

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.