Acesso ao principal conteúdo
São Tomé e Príncipe/Ruanda

Oposição contra presença de oficiais ruandeses em São Tomé

Militares ruandeses
Militares ruandeses GIANLUIGI GUERCIA / AFP

A chegada este fim-de-semana a São Tomé e Príncipe de um grupo de 20 oficiais do exército ruandês tem estado a provocar polémica.

Publicidade

No parlamento a oposição mostrou-se avessa a este tipo de cooperação militar com Kigali, sem que os deputados tenham tido conhecimento de qualquer acordo rubricado entre os dois países.

Os militares ruandeses vão permanecer em São Tomé e Príncipe dois meses e deverão efectuar exercícios conjuntos com os militares são-tomenses e capacitar as forças armadas e de defesa do arquipélago em vários domínios, com destaque para acções de terrorismo.

Jorge Amado, do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social-Democrata (MLSTP-PSD) e Danilson Coutu do Partido da Convergência Democrática (PCD), ambos líderes parlamentares dos respectivos partidos da oposição, criticaram a presença do pelotão de militares do Ruanda em São Tomé e Príncipe. 

Do lado do Governo, Afonso Varela, ministro da Presidência do Conselho de Ministro e dos Assuntos Parlamentares de São Tomé e Príncipe, realçou que se trata de uma acção que se inscreve no relacionamento entre São Tomé e Kigali.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.