Acesso ao principal conteúdo
São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe: Alcoolismo nas crianças denunciado em estudo

Imagem de Ilustração.
Imagem de Ilustração. hinduhumanrights.info

São Tomé e Príncipe está no centro das atenções devido ao consumo de álcool no país, sendo que um estudo aponta vários problemas entre eles o consumo excessivo de bebidas alcoólicas pelas crianças.

Publicidade

Um estudo levado a cabo por Isabel de Santiago, investigadora luso-são-tomense no Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, revelou que o consumo de álcool é preocupante em São Tomé e Príncipe, e principalmente nas crianças, que bebem mais álcool do que leite. A investigadora explica-nos as razões desses comportamentos.

Existe desde logo uma grande iliteracia, ou seja, as pessoas não têm formação sobre os efeitos do álcool. Os homens pensam que é uma questão de virilidade [...] e bebem frequentemente com enormes quantidades porque também não têm fontes de rendimento que lhe permita ter uma alimentação e uma vida estimulante e saudável. As mães, entre os vários erros que cometem, mas também por ignorância ou por iliteracia ou desconhecimento, além de poderem alimentar as crianças, que não bebem leite, as mães dão álcool às crianças como desparasitante de lombrigas, ou seja parasitas. [...] Achando que o álcool vai matar as lombrigas que existem nos intestinos das crianças. [...] Obviamente que a pobreza, se a pessoa não tem dinheiro para comprar comida, prefere alimentar-se do álcool que, é mais barato, [...] alimenta e enche a barriga. E as crianças consequentemente sofrem com este problema”, afirmou.

O cidadão são-tomense Wildiley Barroca, ex-Vice-Presidente da União Panafricana da Juventude, não concorda com estes dados, mas admitiu que há um problema de alcoolismo na Juventude do país devido a factores como o desemprego.

Como jovem e cidadão atento ao desenrolar do quotidiano, não comungo com esta afirmação que considero um tanto pesada. Isto quando diz que em vez de leite, verifica-se um maior consumo de bebidas alcoólicas pelas crianças, eu acho que não se pode pegar nestes dados recolhidos apenas com estas amostras, para caracterizar de algo nacional, em que vai vincular todas as pessoas de uma forma geral como que: as mães em São Tomé e Príncipe substituem o leite pelas bebidas alcoólicas, o que na minha perspectiva não corresponde à verdade”, frisou.

No entanto admitiu que há um verdadeiro problema de alcoolismo na juventude: “Deve-se pela não existência de oportunidades de trabalho. [...] Os jovens tentam encontrar refúgio no consumo de álcool quando não têm emprego e na minha perspectiva, deverá ter políticas públicas direcionadas à juventude de forma a dar resposta a esses problemas sociais”, concluiu.

A investigação de Isabel de Santiago vai ser apresentada já em junho de 2020 na revista Acta Médica Portuguesa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.