Acessar o conteúdo principal
África/Terrorismo

Ônibus transportando crianças é alvo de ataque a bomba em Burkina Faso

Toeni, onde ocorreu o ataque, fica perto da fronteira com o Mali.
Toeni, onde ocorreu o ataque, fica perto da fronteira com o Mali. RFI
Texto por: RFI
2 min

Pelo menos 14 civis, incluindo crianças, morreram neste sábado (4) na explosão de uma bomba artesanal visando um ônibus no noroeste de Burkina Faso. O país africano, na fronteira com o Mali e o Níger, é alvo frequente desse tipo de atentado.

Publicidade

O ataque aconteceu pela manhã em Toeni-Tugan, cidade na província de Sourou, na fronteira com o Mali. "As vítimas são principalmente estudantes (de uma escola secundária) que retornavam à cidade onde estudam depois de passar as festas de fim de ano com a família", informaram as autoridades locais. Além dos 14 mortos, quatro pessoas ficaram gravemente feridas.

Desde 2015 Burkina Faso foi alvo de inúmeros ataques que provocaram 750 mortos. O norte e o leste são as áreas mais afetadas. Uagadugu, a capital, já sofreu três atentados.

Os episódios violentos vêm se tornando cada vez mais frequentes. O ataque visando o ônibus neste sábado acontece apenas onze dias após um massacre em Arbinda, quando 35 civis, entre eles 31 mulheres, foram mortos.

Apesar da presença militar francesa na região, como 4.500 soldados, e da ONU, com 13 mil homens, além das forças americanas, os países dessa da zona são alvos frequentes de ataques. No caso de Burkina Faso, os atentados são raramente reivindicados, mas quase sempre são atribuídos a movimentos jihadistas armados, alguns deles ligados ao grupo de Estado Islâmico ou a Al-Qaeda.

No entanto, em razão da falta de equipamento e treinamento, as forças de ordem desse país pobre da África do Oeste não conseguem conter a espiral crescente de violência jihadista.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.