Acessar o conteúdo principal

Polícia de Moçambique revela à RFI detalhes da prisão de "Fuminho", um dos maiores traficantes do Brasil

O narcotraficante brasileiro Fuminho, foragido há 21 anos, foi preso em Maputo, na segunda-feira (13).
O narcotraficante brasileiro Fuminho, foragido há 21 anos, foi preso em Maputo, na segunda-feira (13). © Reprodução de Vídeo
Texto por: RFI
2 min

O narcotraficante brasileiro Gilberto Aparecido dos Santos, de 49 anos, conhecido como "Fuminho", foi preso na segunda-feira (13) em Maputo. A operação teve participação do Itamaraty, do Departamento de Justiça dos EUA e do Departamento de Polícia de Moçambique.

Publicidade

Orfeu Lisboa, correspondente da RFI em Maputo

Em entrevista à RFI, o porta-voz do Serviço de Investigação Criminal de Moçambique, Leonardo Simbina, trouxe mais detalhes sobre a detenção de "Fuminho". Segundo ele, o narcotraficante brasileiro estava acompanhado de dois "comparsas", ambos de nacionalidade nigeriana, e não reagiu à prisão.

Simbina ressaltou que a operação foi realizada em cooperação entre várias instâncias internacionais, entre elas, a Polícia Federal Brasileira. "Essa detenção foi protagonizada pelos agentes do Serviço de Investigação Criminal de Moçambique, no âmbito do trabalho operativo secreto, visando combater a criminalidade organizada, sobretudo o narcotráfico", reiterou.

Traficante brasileiro foragido há 21 anos é preso em Moçambique

"Fuminho" era o braço direito de Marcola, principal líder do PCC (Primeiro Comando da Capital), e estava foragido há 21 anos. De acordo com o porta-voz do Serviço de Investigação Criminal de Moçambique, o narcotraficante chegou a Moçambique em março, onde também cometeu "alguns crimes".

Em comunicado, a Polícia Federal do Brasil afirmou que "Fuminho" "era considerado o maior fornecedor de cocaíca a uma facção com atuação em todo o Brasil, além de ser responsável pelo envio de toneladas da droga para diversos países do mundo".

Já o Ministério da Justiça indica que o narcotraficante atuava em todos os estados brasileiros e no Mercosul, tendo cometido "crimes de tráfico de drogas, contra o patrimônio e de financiamento para a fuga de líderes de organizações criminosas". Ele também "supostamente financiaria" um plano de resgate de Marcola, que está preso em Brasília.

Gilberto Aparecido dos Santos deve ser extraditado para o Brasil, onde vai responder por diversos crimes. As autoridades brasileiras ainda não divulgaram a data da extradição ou outros detalhes desta operação.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.