Moradores voltam a fugir de Goma, no Congo, em meio a erupção de vulcão Nyirangongo

Autoridades da RDC ordenam evacuação da cidade de Goma por erupção do vulcão Nyiragongo.
Autoridades da RDC ordenam evacuação da cidade de Goma por erupção do vulcão Nyiragongo. AP - Moses Sawasawa

As autoridades de Goma, na região leste da República Democrática do Congo (RDC), ordenaram nesta quinta-feira (27) a evacuação de parte da população da cidade devido ao risco de erupção do vulcão Nyirangongo, que provocou a fuga de milhares de pessoas.

Publicidade

Dezenas de milhares de pessoas deixaram Goma, nesta quinta-feira, depois do alerta lançado pelas autoridades sobre o risco de que a lava provocada pela erupção poderia atingir a cidade.

Após o anúncio, foram registrados mais de 20 quilômetros de engarrafamento na estrada que leva à saída de Goma. Filas de carros, caminhões e vans carregados tentavam avançar em direção a Sake, na região montanhosa do Masisi. Famílas inteiras, carregando malas e outros pertences, caminhavam ao lado da rodovia.

Veículos de todo tipo, incluindo caminhões-tanque, também aguardavam diante da "grande barreira", a fronteira ruandesa no sul da cidade. Goma, incluindo sua área periférica, tem cerca de dois milhões de habitantes.

"Os dados sísmicos atuais e de deformação do solo indicam a presença de magma sob a área urbana de Goma, com uma extensão sob o lago Kivu", declarou o governador militar da província de Kivu Norte, o general Constant Ndima. "Atualmente, não podemos descartar a erupção em terra ou sob o lago, que poderia acontecer com pouco ou nenhum sinal de alerta", completou o governador, que citou os nomes de 10 bairros da cidade afetados pela medida.

 "Existem riscos adicionais vinculados à interação entre a lava e a água do lago", explicou Ndima, que mencionou uma das hipóteses mais perigosas, que seria a desestabilização do gás sob o lago, o que provocaria uma "erupção límnica".

Em uma erupção deste tipo, também conhecida como fenômeno do lago explosivo, "os gases dissolvidos nas águas profundas do lago se elevam, especialmente o CO2, e asfixiam todos os seres vivos ao redor do lago Kivu no lado congolês e ruandês", afirmou uma nota recente do Observatório de Vulcanologia de Goma (OVG). O cenário provocaria "milhares de mortes" nos dois países.

Nesta quinta-feira, uma equipe de especialistas chegou à cidade para avaliar os riscos de uma nova erupção, anunciou o governo congolês.

Erupção começou no sábado

O vulcão Nyiragongo entrou em erupção no sábado (22), o que provocou a primeira fuga de moradores, que retornaram nos dias seguintes, mas permaneciam com o temor de uma nova erupção devido aos incessantes terremotos registrados na região. A grande erupção anterior do Nyiragongo, em 17 de janeiro de 2002, matou pelo menos 100 pessoas.

No sábado, a lava fluiu em duas direções a partir dos flancos do vulcão. Uma parte parou nos subúrbios ao nordeste de Goma e a outra atingiu a Rodovia Nacional 4, que liga Goma a Butembo, uma rota regional vital para o abastecimento da cidade.

"É muito importante permanecer afastado das correntes de lava, pelo perigo de morte por asfixia ou queimaduras", disse o governador Ndima. "Que Deus nos proteja", completou.

De acordo com as autoridades, 32 pessoas morreram desde a erupção de sábado. Entre 900 e 2.500 casas foram destruídas. Ao menos 10 bairros estão sem água corrente e grande parte da cidade não tem energia elétrica. A região de Goma é uma zona de intensa atividade vulcânica, com seis vulcões, incluindo o Nyiragongo e o Nyamuragira, de 3.470 metros e 3.058 metros, respectivamente.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.