Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

O presidente suil-africano, Cyril Ramaphosa (d), durante visita a um laboratório farmacêutico em seu país. (foto de arquivo / de março 2021)
O presidente suil-africano, Cyril Ramaphosa (d), durante visita a um laboratório farmacêutico em seu país. (foto de arquivo / de março 2021) AP

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira(21) a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista como uma esperança em uma região do mundo onde apenas 2% da população foi imunizada.

Publicidade

O presidente sul-africano Cyril Ramaphosa, impulsionador da luta pela suspensão temporária da propriedade intelectual das vacinas, justificou a necessidade de capacitação produtiva regional devido ao fato de que "não se pode contar com as vacinas produzidas fora da África, porque nunca chegam" ao continente. "Elas nunca chegam a tempo e as pessoas continuam morrendo", disse ele da África do Sul, durante uma coletiva de imprensa da Organização Mundial da Saúde (OMS) dedicada a esse projeto.

Seu país representa mais de 35% do número total de casos de Covid-19 registrados na África e atualmente sofre uma terceira onda massiva de infecções. Como outros países em desenvolvimento, a África do Sul vê as vacinas indo para países ricos ou para os que, como a Índia, as fabricam em larga escala.

Apenas 2% da população do continente africano tomou pelo menos uma dose, disse o presidente Ramaphosa, enquanto os Estados Unidos e a Europa pretendem ter 70% de sua população totalmente imunizada nos próximos meses.

O anúncio desta segunda-feira deve aliviar esse desequilíbrio no longo prazo. O objetivo é criar um "centro de transferência de tecnologia" para vacinas anticovid de RNA mensageiro, que se mostraram muito eficazes, como as da Pfizer-BioNTech e Moderna, e que parecem mais fáceis de se adaptar às novas variantes em circulação.

O projeto é promovido por um consórcio sul-africano formado pelas empresas de biotecnologia Biovac e Afrigen Biologics and Vaccines, uma rede de universidades e centros africanos de controle de doenças. A OMS já criou um centro desse tipo com o objetivo de estimular a produção mundial de vacinas contra a gripe.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.