Moçambique

Onda de violência em Maputo contra o aumento do custo de vida

Manifestação, hoje,  em Maputo contra o aumento do custo de vida.
Manifestação, hoje, em Maputo contra o aumento do custo de vida. REUTERS

Confrontos entre populares e forças policiais provocaram hoje em Maputo, 4 mortos, segundo a polícia, 17 mortos, segundo a Cruz Vermelha e 27 feridos entre os quais 2 são agentes da polícia. Foram, entretanto detidas, 142 pessoas, segundo fonte policial.

Publicidade

Este movimento de protesto contra o aumento do preço dos bens essenciais foi também marcado por actos de vandalismo, saques a estabelecimentos comerciais bem como incêndios de veículos. Os protestos foram espontâneos e começarm a ser organizados através do envio de SMS por telemóvel, desde dia 31 de Agosto cuja origem se desconhece.

Ao ter conhecimento da circulação desses SMS, a policia ainda teceu um alerta esta terça-feira contra "eventuais tentativas de alteração da ordem publica", ao sublinhar que nenhuma manifestação tinha sido autorizada. Por outro lado, a policia que tem sido acusada de utilizar balas verdadeiras nos confrontos desta quarta-feira, jà emitiu um desmentido.

Apesar disso, a polémica està patente e a Renamo, na oposição, reclama a demissão do Ministro moçambicano do Interior.

Este movimento de protesto acontece no momento em que o valor de bens de primeira necessidade como o arroz -base da alimentação dos moçambicanos- acaba de aumentar. Estes aumentos acompanham-se da subida do preço da água, da electricidade bem como do combustivel. O nosso correspondente em Maputo acompanhou os protestos.

Reportagem em Maputo, Orfeu Lisboa

 

Numa entrevista a Liliana Henriques, e ao tecer um paralelo com o violento protesto contra o aumento do preço dos transportes ocorrido desta vez em Fevereiro de 2008, Antonio Gaspar, do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais de Maputo, também não deixa de realçar as particularidades desta nova onda de violência.

António Gaspar, do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais de Maputo.

 

As manifestações poderão continuar até sexta feira, dia 3 de setembro, segundo as mensagens, via telemóvel, que já começaram a ser enviadas ao fim do dia de hoje. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.