GUINÉ-BISSAU/CHINA

Guiné-Bissau reforça cooperação com a China

Em plena tempestade de areia
Em plena tempestade de areia Reuters

O primeiro-ministro guineense, Carlos Gomes Júnior, iniciou nesta terça-feira uma visita oficial à China. Esta deslocação tem como objectivo o reforço das relações de cooperação entre os dois países nos domínios da economia. Um dos momentos altos desta viagem será na sexta-feira, dia em que se assinala a independência da Guiné-Bissau no pavilhão guineense  da Exposição Universal de Xangai.

Publicidade

O chefe de governo guineense à sua chegada a Pequim foi recebido em audiência pelo vice-presidente chinês, Xi Jinping. Um encontro que serviu para fazer o ponto da situação sobre a cooperação bilateral alcançada na última década.

O ministro conselheiro da embaixada guineense na capital chinesa, Carinton Cá, referiu que esta reunião serviu para trocar opiniões sobre um reforço da cooperação e também para concertar ideias sobre os grandes assuntos internacionais.

Nesta quarta-feira Carlos Gomes Júnior tem agendados vários encontros com empresários chineses ligados ao ramo petrolífero e da construção civil, áreas onde a China tem know how que poderá vir a disponibilizar à Guiné-Bissau.

Depois o primeiro-ministro segue para Xangai onde tem encontro marcado com empresários de pequenas e médias empresas interessadas em investir no mercado guineense.

O ponto alto desta visita será no dia 24, dia em que se assinala a independência da Guiné-Bissau. Para assinalar a data Carlos Gomes Júnior presidirá às cerimónias comemorativas no pavilhão do país na Exposição Universal de Xangai.

Sobre este assunto Neidy Ribeiro ouviu Fafali Koudawo, reitor da Universidade Colinas do Boé de Bissau que destacou o interesse da China desde sempre na Guiné-Bissau.

 

Fafali Koudawo

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.